Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para domar suas más inclinações. (Allan Kardec - E.S.E, XVII, 4)

sexta-feira, 26 de junho de 2020

O testemunho do Evangelho na pandemia


De todas as características do período em que estamos vivendo, da pandemia e sua repercussão em nossa sociedade, a reorganização social em distanciamento de alguns e a convivência forçada e integral com os mais próximos talvez seja a que mais nos desafie a viver os princípios de amor e caridade que apregoa nossa doutrina.

Nesse contexto de privações, não é difícil nos solidarizarmos com aqueles que estão em situação de vulnerabilidade social ou que têm vivido o impacto econômico da pandemia com a perda de suas fontes de recursos materiais. Não é difícil nos comovermos com as inúmeras histórias de familiares que viram seus entes queridos definharem com tal doença e, no desespero, lutarem por uma vaga em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Não é difícil mobilizarmos nossos sentimentos de empatia ao depararmos com a dificuldade dos familiares em não poderem acompanhar seu parente amado nos momentos finais de sua jornada encarnatória.

Na vivência cotidiana, no entanto, em que somos impelidos a conviver integralmente com o próximo mais próximo, somos desafiados a viver, sem escusas, o Evangelho de Jesus. Ou isso ou a experiência da convivência pode escalar-se a níveis intoleráveis.

E se estamos passando pela tão aclamada transição planetária, cabe a nós espíritas – principalmente, por não podermos alegar ignorância – assumir nossa parcela nesse processo e avocar de vez as rédeas de nossa reforma íntima. Abraçarmos os valores que nos identificam como cristãos e materializá-los em nossas ações.

Em tempos de isolamento, somos desafiados a enxergar as oportunidades do testemunho. Mas a verdade é que os pequenos esforços são passos certeiros na caminhada de evolução. É o acolher em escuta amorosa o amigo que sofre. É vigiar para que não nos tornemos consumidores ávidos de números e estatísticas, notícias de dor e sofrimento, de forma que nosso pensamento não se embrenhe na densa onda de vibrações pessimistas. Reagir com caridade às ocorrências caseiras, sem posturas inflamadas, olhando para o companheiro de jornada como olhamos àquela visita querida e tão esperada. É o evangelho no lar em prece e vivência!

Se hoje não somos mais reclamados a percorrer estradas áridas em viagens missionárias para divulgar a palavra do Mestre, podemos fazer repercutir seus valores por meio de nossas ações. Que nossas falas – ao vivo, por telefone ou nas redes sociais – ecoem os ensinamentos do Cristo, sem nos abstermos da responsabilidade de defendermos seus princípios. A defesa do Evangelho já não é feita pelo sacrifício na cova dos leões, mas pela vivência cristã em nosso cotidiano e a exemplo do Mestre Nazareno. É imperioso, assim, que nos posicionemos em favor do bem e não apenas nos abstermos de fazer o mal – como Kardec mesmo já nos alertou.

Que possamos refletir em nossa humilde existência, de acordo com cada ritmo de caminhada, nosso anseio pela Terra regenerada. Arando nosso solo e semeando a palavra de Jesus, vamos abraçando a parte que nos compete no processo de fazer nosso planeta um lugar melhor.

Camila Louise – Fonte: www.febnet.org.br

Pais

“E vós, pais, não provoqueis a ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor.” Paulo (Efésios, 6:4)

Assumir compromissos na paternidade e na maternidade constitui engrandecimento do espírito, sempre que o homem e a mulher lhes compreendam o caráter divino.
Infelizmente, o Planeta ainda apresenta enorme percentagem de criaturas mal avisadas relativamente a esses sublimes atributos.
Grande número de homens e mulheres procura prazeres envenenados nesse particular. Os que se localizam, contudo, na perseguição à fantasia ruinosa, vivem ainda longe das verdadeiras noções de humanidade e devem ser colocados à margem de qualquer apreciação.
Urge reconhecer, aliás, que o Evangelho não fala aos embriões da espiritualidade, mas às inteligências e corações que já se mostram suscetíveis de receber-lhe o concurso.
Os pais do mundo, admitidos às assembleias de Jesus, precisam compreender a complexidade e grandeza do trabalho que lhes assiste. É natural que se interessem pelo mundo, pelos acontecimentos vulgares, todavia, é imprescindível não perder de vista que o lar é o mundo essencial, onde se deve atender aos desígnios divinos, no tocante aos serviços mais importantes que lhes foram conferidos. Os filhos são as obras preciosas que o Senhor lhes confia às mãos, solicitando-lhes cooperação amorosa e eficiente.
Receber encargos desse teor é alcançar nobres títulos de confiança.
Por isso, criar os filhinhos e aperfeiçoá-los não é serviço tão fácil.
A maioria dos pais humanos vivem desviados, através de vários modos, seja nos excessos de ternura ou na demasia de exigência, mas à luz do Evangelho caminharão todos no rumo da era nova, compreendendo que, se para ser pai ou mãe são necessários profundos dotes de amor, à frente dessas qualidades deve brilhar o divino dom do equilíbrio.

Emmanuel / Chico Xavier – Vinha de Luz – cap.135

Reequilíbrio


A palavra tratamento, numa de suas mais justas acepções, significa processo de cura.
E existem tratamentos de vários modos.

***

Quando sofremos, por exemplo, os prejuízos da ignorância, buscamos o apoio da escola para que a instrução nos felicite com a luz do discernimento.

***

No dia da enfermidade, é forçoso recorrer à ciência médica, que se expressará em teu favor, através de medidas socorristas diversas.

***

Na solução de necessidades primárias da vida orgânica, quanto mais alto o gabarito da educação, mais imperioso se torna o concurso especializado. Daí os quadros crescentes de higienistas, odontólogos, enfermeiros e assistentes sociais.

Ocorre o mesmo no reino do espírito, quanto à cura da alma.

Antes da reencarnação, a criatura que se vê defrontada por obrigações de resgate e reajuste, é levada espontaneamente ou não a renascer, junto dos companheiros de antigas faltas, a fim de granjear os recursos indispensáveis à própria quitação diante da Lei.

Por essa razão, verificarás que não é difícil amar a humanidade em seu conjunto, mas nunca fácil harmonizar-se na organização doméstica, onde a vida nos transforma, transitoriamente, em instrutores particularizados uns dos outros. É que o lar ou grupo de serviço, nas teias da consanguinidade ou da vivência, se erigem como sendo escolas de emenda, institutos de reabilitação ou pequenos sanatórios do sentimento – pontos-chave do processo para cada um de nós - portanto, em casa ou no círculo íntimo, encontramos o lugar certo para o encontro exato com os parceiros difíceis de outros tempos, junto dos quais, durante o período da reencarnação, adquiriremos o tratamento espiritual que nos é indispensável à conquista do amor, a única força capaz de assegurar-nos a ascensão para a vida eterna.

Emmanuel / Chico Xavier – Livro: Paz e Renovação

sábado, 20 de junho de 2020

Ante Jesus


Não compareças à frente do Cristo, presumindo-te iniciando na solução dos problemas do mundo. É possível que a tua experiência seja uma rede escura tecida com fragmentos de ilusão.
Não procures o Divino Mestre, julgando-te forte entre os poderosos do dia. É provável que a tua segurança não resista ao mais leve sopro de sofrimento.
Não busques Jesus como quem alcançou autoridade infalível entre os homens. É provável que o teu mandato de orientação às criaturas termine, ainda hoje, por determinação das forças superiores que regem a vida.
Não te aproximes do Evangelho, impondo títulos, mesmo respeitáveis, que a Terra te conferiu à personalidade em trânsito no Plano Físico. Os títulos, por vezes, são meros enganos no jogo educativo das convenções sociais.

- o –

Procuremos o Mestre, na posição de aprendizes.
Conduzamos até Ele a receptividade da criança que, em se consagrando à simplicidade, pode acolher, sem aflição e sem mágoa, a diretriz regeneradora.

- o –

A mente infantil permanece abençoada com o selo da renovação.
Desconhece o mal, não vê inimigos, ignora a culpa, não comunga com a iniquidade e não vê obstáculos para desculpar as ofensas, tantas vezes quantas se fizerem necessárias.
Desfruta a paz, confia com sinceridade, aprende com presteza, sorri para a existência e, sobretudo, caminha com o espírito de surpresa, com que devemos agradecer, cada dia, as bênçãos do Criador da Vida Universal.
Não te encarceres nas conceituações exclusivamente humanas.
A vida é ascensão.
Se procuras o Cristo, na feição do homem apenas raciocina, não abordarás com facilidade as lições do Evangelho, mas se buscares o Senhor, na condição da criatura que ama, tudo entenderás, caminhando feliz, ao encontro do Grande Futuro.

Emmanuel / Chico Xavier – Livro: Tocando o Barco

sexta-feira, 19 de junho de 2020

Alfaias

“Naquele dia, quem estiver no telhado, tendo as suas alfaias em casa, não desça a tomá-las.” Jesus (Lucas, 17:31)

A palavra do Mestre não deixa margem a hesitações.
Naturalmente, todo aprendiz vive na organização que lhe é própria. Cada qual permanece em casa, isto é, na criação individual ou no campo de testemunho a que o Senhor o conduziu.
Geralmente, porém, jamais está sozinho.
Reduzido ou extenso, há sempre um séquito de afeições a acompanhá-lo.
Muita vez, contudo, a companheira, o pai e o filho não conseguem mover-se além das zonas inferiores de compreensão, quando o discípulo, pelos nobres esforços despendidos, se equilibra, vitorioso, na parte mais alta do entendimento. Chegados a semelhante situação, muitos trabalhadores aplicados experimentam dificuldades de vulto.
Não sabem separar as alfaias de adorno dos vasos essenciais, as frivolidades dos deveres justos e sofrem dolorosos abalos no coração.
Indispensável se precatem contra esse perigo comum.
Cumpra-se a obrigação sagrada, atenda-se, antes de tudo, ao programa da Vontade Divina, exemplifique-se a fraternidade e a tolerância, acendendo-se a lâmpada do esforço próprio, mas que se não prejudique o serviço divino da ascensão, por receio aos melindres pessoais e às convenções puramente exteriores.
Um lar não vive simplesmente em razão das alfaias que o povoam, transitoriamente, e sim pelos fundamentos espirituais que lhe construíram as bases.
Um homem não será superior porque satisfaça a opiniões passageiras, mas sim porque sabe cumprir, em tudo, os desígnios de Deus.

Emmanuel / Chico Xavier – Vinha de Luz – cap.134

A prece de Cerinto


Quantos venham a ler a mensagem constante deste capítulo, decerto nem de longe experimentarão a surpresa de nosso grupo, em cuja intimidade Cerinto, o amigo espiritual que no-la transmitiu, caminhou, pouco a pouco da sombra para a luz.
A princípio era um Espírito atrabiliário e revoltado, chegando mesmo a orientar vastas falanges de irmãos conturbados e infelizes, ainda enquistados na ignorância.
Discutia acerbamente. Criticava. Blasfemava.
De nossos entendimentos difíceis, manda a caridade que nos detenhamos no silêncio preciso.
Surgiu, porém, o dia em que a influência de nossos Benfeitores Espirituais se revelou plenamente vitoriosa.
Cerinto modificou-se e transferiu-se de plano mental, marchando agora ao nosso lado, sedento de renovação e luz como nós mesmos.
Foi por isso com imensa alegria que lhe registramos a comovente rogativa, por ele pronunciada em nossa reunião da noite de 24 de novembro de 1955.

Senhor de Infinita Bondade.
No santuário da oração, marco renovador do meu caminho, não Te peço por mim, Espírito endividado, para quem reservaste os tribunais de Tua Excelsa Justiça.
A Tua compaixão é como se fora o orvalho da esperança em minha noite moral, e isto basta, ao revel pecador que tenho sido.
Não Te peço, Senhor, pelos que choram.
Clamo por Teu amor e benefício dos que fazem as lágrimas.
Não Te venho pedir pelos que padecem.
Suplico-Te a bênção para todos aqueles que provocam sofrimento.
Não Te lembro os fracos da Terra.
Recordo-Te quantos se julgam poderosos e vencedores.
Não intercedo pelos que soluçam de fome.
Rogo-Te amor para os que lhes furtam o pão.

Senhor Todo-Bondoso!...
Não Te trago os que sangram de angústia.
Relaciono diante de Ti os que golpeiam e ferem.
Não Te peço pelos que sofrem injustiças.
Rogo-Te pelos empreiteiros do crime.
Não Te apresento os desprotegidos da sorte.
Sugiro Teu amparo aos que estendem a aflição e a miséria.
Não Te imploro mercê para as almas traídas.
Exorto-Te o socorro para os que tecem os fios envenenados da ingratidão.

Pai compassivo!...
Estende as mãos sobre os que vagueiam nas trevas...
Anula o pensamento insensato.
Cerra os lábios que induzem à tentação.
Paralisa os braços que apedrejam.
Detém os passos daqueles que distribuem a morte...
Ajuda-nos a todos nós, filhos do erro, porque somente assim, ó Deus piedoso e justo, poderemos edificar o paraíso do bem com todos aqueles que já Te compreendem e obedecem, extinguindo o inferno daqueles que, como nós, se atiram desprevenidos, aos insanos torvelinhos do mal!...

Cerinto / Chico Xavier – Livro: Vozes do grande Além

quinta-feira, 11 de junho de 2020

Ação e paz



Aflição condensada é semelhante a bomba de estopim curto, pronta a explodir a qualquer contato esfogueante.
Indispensável saber preservar a tranquilidade própria, de modo a sermos úteis na extinção dessa ou daquela dificuldade.
Decerto que para cooperarmos no estabelecimento da paz, não nos seria lícito interpretar a calma por inércia.
Paciência é a compreensão que age sem barulho, em apoio da segurança geral.
Refletindo com acerto, recebe a hora de crise, sem qualquer ideia de violência, porque a violência sempre induz ao estrangulamento da oportunidade de auxiliar.
Diante de qualquer informação desastrosa, busca revestir-te com a serenidade possível para que não te transformes num problema, pesando no problema que a vida te pede resolver.
Não afogues o pensamento nas nuvens do pessimismo, mentalizando ocorrências infelizes que provavelmente jamais aparecerão.
Evita julgar pessoas e situações em sentido negativo para que o arrependimento não te corroa as forças do espírito.
Se te encontras diante de um caso de agressão, não respondas com outra agressão, a fim de que a intemperança mental não te precipite na vala da delinquência.
Pacifica a própria sensibilidade, para que a razão te oriente os impulsos.
Se conservas o hábito de orar, recorre à prece nos instantes difíceis, mas se não possuis essa bênção, medita suficientemente antes de falar ou de agir.
Os impactos emocionais, em qualquer parte, surgem na estrada de todos; guarda, por isso, a fé em Deus e em ti mesmo, de maneira a que não te afastes da paz interior, a fim de que nas horas sombrias da existência possa a tua paz converter-se em abençoada luz.
Emmanuel / Chico Xavier – Livro: Urgência

Casa Espiritual

“Vós, também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual.” Pedro (I Pedro, 2:5)

Cada homem é uma casa espiritual que deve estar, por deliberação e esforço do morador, em contínua modificação para melhor.
Valendo-nos do símbolo, recordamos que existem casas ao abandono, caminhando para a ruína, e outras que se revelam sufocadas pela hera entrelaçada ou transformadas em redutos de seres traiçoeiros e venenosos da sombra; aparecem, de quando em quando, edificações relaxadas, cujos inquilinos jamais se animam a remover o lixo desprezível e observam-se as moradias fantasiosas, que ostentam fachada soberba com indisfarçável desorganização interior, tanto quanto as que se encontram penhoradas por hipotecas de grande vulto, sendo justo acrescentar que são raras as residências completamente livres, em constante renovação para melhor.
O aprendiz do Evangelho precisa, pois, refletir nas palavras de Simão Pedro, porque a lição de Jesus não deve ser tomada apenas como carícia embaladora e, sim, por material de construção e reconstrução da reforma integral da casa íntima.
Muita vez, é imprescindível que os alicerces de nosso santuário interior sejam abalados e renovados.
Cristo não é somente uma figuração filosófica ou religiosa nos altiplanos do pensamento universal. É também o restaurador da casa espiritual dos homens.
O cristão sem reforma interna dispõe apenas das plantas do serviço. O discípulo sincero, porém, é o trabalhador devotado que atinge a luz do Senhor, não em benefício de Jesus, mas, sobretudo, em favor de si mesmo.

Emmanuel / Chico Xavier – Vinha de Luz – cap.133

Tempos novos


Alma querida, escuta!...
Um mundo diferente, às súbitas, se eleva
Do presente ao porvir... E, quase gênio alado,
O Homem, percorre o Espaço e vence a força e a treva!...

O cérebro se exalça ao sol da inteligência
E tateia o Universo, entre surpreso e aflito.
Deus permite às nações congregadas na Terra
Mais um passo de luz à frente do Infinito.

Mas, ouve e pensa!... Enquanto
O fórceps da Ciência arranca a Nova Era
Ao claustro do passado, ante a glória futura,
A construção do Amor anseia, sonha, espera...

A Civilização refulge nas vanguardas,
Varre os pisos do Mar, ganha os vales da Lua;
No entanto, em toda a Terra, o sofrimento avança,
A discórdia, se alastra, o ódio continua...

Louvemos com respeito a ideia resplendente
Que exalta a Evolução nos áureos tempos novos;
Atendamos, porém, à fé que nos convida
A resguardar, em paz, a elevação dos povos.

Ao choque das paixões, Cristo ressurge e fala...
– É a Verdade, o Roteiro, a Direção Segura,
E chama-nos, de volta, à estrada redentora,
Na pessoa do irmão que a sombra desfigura!

Espalhemos os bens que o Senhor nos empresta
Do tesouro imortal de nossa excelsa herança:
Auxílio, compreensão, beneficência, apoio,
Refúgio, compaixão, alegria, esperança.!...

Onde a penúria chora e a revolta esbraveja,
Onde o mal se amontoa e a aflição nos espia,
Conduzamos o pão, a veste, a luz, o amparo,
O verbo que restaura, a bênção que alivia!...

Alma querida, escuta!... O progresso, por vezes,
Lembra granizo e fogo, em tormentas no ar!...
Mas Jesus vem conosco e nos pede a caminho:
Dar, entender, servir, recompor, trabalhar...

Maria Dolores

sexta-feira, 5 de junho de 2020

Pureza doutrinária


A missão profética do coronavírus


“Nada temais, pequenino rebanho: aprouve ao Senhor Deus vos dar o seu Reino.”
Jesus [Lucas, 12:32]

Este artigo contém um breve relato histórico da evolução de nosso planeta e de sua Humanidade, desde sua criação aos dias presentes, tendo por objetivo explicar a razão de estar ocorrendo em todos os seus quadrantes o atual surto de coronavírus. A explanação não tem o rigor de um trabalho científico e, em suas referências, cita fontes gerais e não específicas, pois se funda na fé e no conhecimento doutrinário e espiritual, que estão muito acima das comprovações requeridas pelo intelecto humano, sempre falível em seus fundamentos, não obstante sua pretensa precisão matemática. Contamos, pois, com a compreensão do leitor, que deverá entender esta abordagem como uma das muitas possíveis para esse intrincado problema.
Jesus é cocriador da Terra com Deus
1. Jesus criou este planeta por agregação atômica há aproximadamente quatro bilhões e setecentos milhões de anos, revestiu-o de vida vegetal e animal, e colocou nele o homem, ou seja, esta Humanidade que aqui se encontra até hoje. Pela lei da reencarnação, a Humanidade que aqui está, desde o primeiro homem que habitou o mundo, é a mesma que aqui permanecerá até o dia em que o planeta desaparecer no Universo, por dissolução atômica. Isto deverá ocorrer talvez daqui a oito bilhões de anos, como explano em meu livro O homem – da caverna à vida eterna, com forte embasamento científico, filosófico e religioso.
O homem tem um Espírito imortal
2. O homem – que é mortal e, em cada encarnação, nasce num corpo gerado pela união de um espermatozoide com um óvulo – tem um Espírito imortal, que nasceu das mãos de Deus, no Infinito, em um tempo que foge à nossa limitada compreensão intelectual. À medida que os corpos foram se multiplicando na Terra, os Espíritos, na mesma proporção, foram também trazidos gradativamente por Jesus de outros orbes do Universo, de onde precisaram ser excluídos por sua obstinação no mal.
A Terra é hospital e penitenciária
3. A Terra é, portanto, um hospital e uma penitenciária ao mesmo tempo – hospital, porque todos os seus habitantes estão espiritualmente doentes; e penitenciária, porque todos estão impedidos de ascender a mundos mais felizes até a quitação de seus débitos cármicos perante a Lei Divina. Como Deus respeita o livre-arbítrio humano, não há prazo determinado para a regeneração e cura da Humanidade, e esse prazo pode durar ainda alguns milhares de anos. A despeito disso e contrariando a própria palavra do Cristo, alguns formadores de opinião vêm, ao longo do tempo, estabelecendo datas de forma temerária para essa realização.
Deus envia Mensageiros de Luz
4. Desde que há algumas dezenas de milênios começou a desabrochar na mente do homem as primeiras manifestações do raciocínio e da razão, Deus também começou a enviar-lhe Mensageiros de Amor e Luz que, de forma gradativa, lhe foram revelando a religião, a filosofia e a ciência que regem os Planos Superiores da Vida. A missão desses Emissários era acender luzes no espírito humano que lhe despertassem a alma para a fé, encurtassem o tempo de suas provas e expiações, e o conduzissem à sua quitação e plenificação espiritual.
Jesus viveu entre nós
5. Essa estratégia da Misericórdia Divina culminou, há dois mil anos, com a vinda do Cristo ao nosso meio, para nos trazer o Evangelho Redentor, no qual se encontram semeadas e exemplificadas por nosso Divino Mestre todas as virtudes capazes de fazer do homem um anjo de luz. Essas virtudes, como diamantes a faiscar perante nossos olhos, se contrapunham a todas as chagas morais que nos levaram, como Espíritos, a ser exilados na Terra: a humildade para eliminar a nossa soberba; a caridade para eliminar o nosso egoísmo; e a solidariedade para eliminar a guerra psíquica e física enraizada dentro de nós.
Nós escarnecemos de Jesus
6. E o que aconteceu? A Humanidade caiu de joelhos, em lágrimas, diante da presença do Cristo, agradecida por essa concessão da Bondade de Deus em prol de sua redenção? A Humanidade passou imediatamente a viver esses princípios sagrados, agarrando-se a eles como o náufrago se agarra a uma única tábua de salvação? Não. Não. Não. Mil vezes, não! Ela cuspiu no Evangelho, escarneceu do Mensageiro Sublime que o trouxe e, com instinto carniceiro, o levou à ignomínia da cruz. E não satisfeita com isso, para deixar patente sua repulsa à interferência de Deus nos negócios humanos, assumiu um débito cármico terrível perante a Vida, rogando que o sangue d’Aquele Justo caísse sobre si e seus descendentes para sempre. E esse sangue, de que estão retintas nossas mãos, está caindo sobre o mundo até hoje.
Hoje nós temos o Evangelho
7. E não se diga que isto aconteceu por culpa de romanos e judeus, e que nós nada temos com esse infausto acontecimento. Seria o mais grosseiro sofisma. Na esteira da História, nós somos aqueles romanos e judeus. Pela lei da reencarnação, nós é que estávamos lá esbravejando contra o Cristo. E hoje, dois mil anos depois, ainda permanecemos em situação pior que a deles, porque eles, até aquela data, não tinham as lições do Evangelho para nortear as suas ações. Mas nós, faz dois mil anos que temos o Evangelho diante de nossos olhos, sempre lembrado e recitado, mas não praticado nem vivido, pois isto demandaria uma reforma espiritual dificultosa que o ser humano não quer enfrentar nem assumir. Não temos, portanto, desculpas.
A ganância tem enceguecido o homem
8. Hoje, o mundo permanece absurdamente surdo à voz do Alto, envolvido pela trama da treva e voltado somente para o poder, o sexo, a droga, o enriquecimento material, a diversão que anestesia a mente, as fantasias que embriagam o coração, e todas as formas de prazeres transitórios que a matéria lhe proporciona. As religiões que, em princípio, deveriam ser o farol da Humanidade neste momento infeliz, também estão enceguecidas pela ganância, porque, com as louváveis exceções de praxe, vivem em sua maioria para extorquir seus adeptos financeiramente e subjugá-los espiritualmente.
Deus manda seus Ministros à Terra
9. Não é de admirar, portanto, que Deus ponha em ação seus Ministros Redentores, que existem para dar direção segura à Humanidade sempre que esta necessitar de correção em seus rumos. A meta é a redenção do homem, não a sua destruição; a renovação do planeta, não o seu fim. Para isso o arsenal de Deus está cheio de recursos a que nenhum poder humano pode se opor. Dentre esses recursos, podem ser citados os Quatro Cavaleiros do Apocalipse que, segundo os intérpretes mais acreditados, são a Luz, a Treva, a Doença e a Morte; os rebates de guerra das Sete Trombetas que, de tempos em tempos, a cada clarinada, revolvem as camadas da sociedade para arejá-las; e as Sete Taças com as Sete Últimas Pragas, uma delas despejada no ar e disseminada pela redondeza da Terra, talvez para atingir o homem na sua fonte de vida: a respiração.
O coronavírus tem missão reeducativa
10. É nossa firme convicção, com fundamento nas profecias bíblicas, que o coronavírus, em sua versão de Covid-19, não surgiu na Terra sem a determinação de Deus e não deixará a Terra sem a sua autorização. Ele tem uma importante missão reeducativa a cumprir e somente cessará essa atividade quando houver realizado integralmente a sua tarefa. Se, como revelou Jesus, não há um fio de cabelo de nossa cabeça que caia sem que Deus saiba, como é que vai cair um homem, milhares ou milhões de homens sem que Deus o permita? O vírus é sem dúvida terrível, mas não mais terrível que o carma virulento da Humanidade. Tudo isso encerra uma grande lição, muito bem lembrada pelo Apóstolo Paulo e ainda não assimilada pela mente infantil do ser humano: “Tudo aquilo que o homem semear, isto mesmo terá de colher”.
A Humanidade será separada em joio e trigo
11. Mas não nos iludamos quanto à resiliência da natureza humana. Quando Deus permitir à Ciência debelar o vírus de hoje – que deverá ocorrer em breve –, a Humanidade retornará à normalidade de seu curso. E então esquecerá a peste que a atormenta nos dias atuais e retornará também às ações irresponsáveis de antes, exatamente como o cão retorna ao vômito. Mas um dia que não vem longe, o gênero humano, por amadurecimento, estará separado em trigo e joio, segundo a parábola do Senhor. Nesse abençoado dia, Deus fará o banimento da Terra para planetas inferiores daquela parcela do mundo que permanecer impermeável às suas Diretrizes Divinas. Isto foi o que aconteceu no passado, de outros planetas para cá, e é o que acontecerá de novo, daqui para planetas mais primitivos, porque a História se repete nas regiões inferiores do Universo. É o que diz Jesus, em suas parábolas do Evangelho (que muitos leram e poucos entenderam), e é o que diz também em suas profecias do Apocalipse (que poucos leram e nada entenderam). Só restará um pequeno rebanho que, em face de um Novo Céu e uma Nova Terra, dará início a uma nova e gloriosa fase na História da Humanidade.
Fé e caridade são a salvaguarda do homem
12. A fé em Deus, no Cristo e no Espírito Santo ou Paráclito, e a prática permanente da caridade nos seus aspectos físico, moral e espiritual são a salvaguarda dos verdadeiros operários do Bem neste mundo, o único antídoto para o pânico que está tomando conta da Humanidade neste momento. Deus não tem religião. Os Mandamentos Divinos encontram-se revelados no seio das principais religiões, em muitas correntes filosóficas e em partes mais saudáveis da Ciência. E como Deus é justo e dá a cada um segundo suas obras, a vivência desses princípios em qualquer tempo ou lugar, por crentes e ateus, é que dará segurança a cada um, situando-o dentro de um casulo magnético protetor que o isolará de qualquer ataque a que não faça jus. Tudo o que há de bom já está em trânsito entre Deus e nós.
Jesus é o farol que resplandece nas trevas
13. Que as palavras do Cristo, portanto, sejam o nosso farol no momento grave que estamos vivendo. Primeiro, Jesus falando ao Pai Celestial e revelando que nem todos no mundo cerrarão fileiras ao seu lado na hora da Transição Planetária: 1. Pai, Eu não te rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste do mundo, porque são teus. 2. E Eu não te peço que os tires do mundo, mas que os guardes do mal [João, 17:9 e 15].
E agora, Jesus falando a cada um de nós e revelando que Fé, Amor e Boas Obras são o diferencial para a nossa segurança e salvação: 1. Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que, estando em mim, não der fruto, Ele o corta; e todo o que dá fruto, Ele limpa, para que dê mais fruto ainda. 2. Como o Pai me amou, também Eu vos amei; permanecei no meu amor [João, 15:1, 2 e 9]. 3. […] No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo: Eu venci o mundo. 4. Não se turbe, portanto, o vosso coração nem se arreceie, porque Eu estarei convosco, todos os dias, até o fim do mundo [João, 16:33; 14:27; Mateus, 28:20].
Com Jesus somos invencíveis
14. Jesus declarou que o Reino de Deus está dentro de nós. Elevemos então a Ele esta súplica, nesta hora gravíssima para a Humanidade: “Senhor Jesus, permite que o Reino de Deus que existe dentro de mim esteja conectado ao Reino de Deus que existe dentro de ti, a fim de sermos um, como tu desejas no teu Evangelho”. E completemos nossa sintonia espiritual com o Cristo por meio desta chave luminosa de Casimiro Cunha: “O mundo faz vencedores, mas Jesus faz invencíveis”.

Mário Frigéri – Revista Reformador – junho/2020

Pandemia - Nota Oficial FEB - 04/06/2020



Brasília, 4 de junho de 2020
Em virtude das recentes recomendações dos Governos estaduais e do Distrito Federal sobre a realização de atividades presenciais nas instituições religiosas, a Federação Espírita Brasileira (FEB) orienta que adotemos atitudes responsáveis e seguras, zelando pelo cumprimento da Lei de Justiça, Amor e Caridade e pelo atendimento às legislações específicas das diferentes unidades da Federação.

A FEB seguirá com as portas virtuais abertas, com vibrações, palestras diárias, atendimento ao público, estudos, mantendo, no entanto, suspenso o funcionamento ao longo deste mês das atividades presenciais. Devemos atender ao imperativo de se evitar aglomerações, mas podemos desenvolver trabalhos diversos para nosso auxílio individual e coletivo, preservando o amparo necessário aos que necessitarem.
Sugerimos, neste momento, a continuidade de ações anteriormente indicadas como medidas no atendimento espiritual que se façam necessárias, a exemplo de se realizar o culto no lar nos horários das reuniões no Centro Espírita; cultivar a leitura edificante; acompanhar palestras disponíveis nos vários canais da internet; fazer estudos em casa com a participação de familiares; realizar leituras para doentes ou pessoas com dificuldades que morem no mesmo ambiente; estudar individualmente sobre temas que possam melhorar e ampliar a compreensão do momento; orar pelos enfermos em geral; e adotar outras estratégias que possam atender melhor a realidade de cada um.
Para o âmbito do Movimento Espírita, lembramos que é fundamental que as instituições espíritas atendam às recomendações governamentais de suas localidades para a manutenção do bem-estar coletivo.
Que o mundo se encontra em conflitos dolorosos, à maneira de cadinho gigantesco em ebulição para depurar os valores humanos, é mais que razoável, é necessário. Entretanto, acima de tudo, importa considerar que devemos ser, não obstante as nossas imperfeições, um ponto de luz nas trevas, em que a inspiração do Senhor possa brilhar. (Livro Encontro Marcado, ditado por Emmanuel, psicografado por Francisco Cândido Xavier. FEB Editora)
Fraternalmente,
Federação Espírita Brasileira

Vigilância


“Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora virá o vosso Senhor.” Jesus (Mateus, 24:42)

Ninguém alegue o título de aprendiz de Jesus para furtar-se ao serviço ativo na luta do bem contra o mal, a luz contra a sombra.
A determinação de vigilância partiu dos próprios lábios do Mestre Divino.
Como é possível preservar algum patrimônio precioso sem vigiá-lo atentamente? O homem de consciência retilínea, em todas as épocas, será obrigado a participar do esforço de conservação, dilatação e defesa do bem.
É verdade indiscutível que marchamos todos para a fraternidade universal, para a realização concreta dos ensinamentos cristãos; todavia, enquanto não atingirmos a época em que o Evangelho se materializará na Terra, não será justo entregar ao mal, à desordem ou à perturbação a parte de serviço que nos compete.
Para defender-se de intempéries, de rigores climáticos, o homem edificou o lar e vestiu-se, convenientemente.
Semelhante lei de preservação vigora em toda esfera de trabalho no mundo.
As coletividades exigem instituições que lhes garantam o bem-estar e o trabalho digno, sem aflições de cativeiro. As nações requerem “casas” de princípios nobilitantes, em que se refugiem contra as tormentas da ignorância ou da agressividade, do desespero ou da decadência.
E no serviço de construção cristã do mundo futuro, é indispensável vigiar o campo que nos compete.
O apostolado é de Jesus; a obra pertence-lhe.
Ele virá, no momento oportuno, a todos os departamentos de serviço, orientando as particularidades do ministério de purificação e sublimação da vida, contudo, ninguém se esqueça de que o Senhor não prescinde da colaboração de sentinelas.

Emmanuel / Chico Xavier – Livro: Vinha de Luz – Lição 132

Grãos de Luz


Usa palavras amigas
  Nascidas do afeto irmão.
  O verbo que reconforta
  É bálsamo ao coração.

   Acende a luz no bom tempo!
  Afirma a sabedoria
  Que o Sol claro da manhã
  Não durará todo o dia.

   Nunca te deixes levar
  Somente pelos ouvidos;
  Enquanto o boi sua e sofre,
  O carro espalha gemidos.

   Pessoa muito importante
  É qual estrela mui rara
  Que refulge para todos
  Mas não descansa e nem para.

   As forças da discussão
  E o tempo gasto em contenda
  Só podem trazer vantagem
  Com pessoa que te entenda.

   Onde o gosto e a fantasia
  São maiores que o proveito,
  Apresenta as despedidas,
  Dando o trato por desfeito.

   Que não te espante a aspereza
  Do espírito envenenado;
  Quem bebe cicuta e fel
  Não pode cuspir melado.

  Alma nobre é como nuvem,
  Sem ponto de vista algum,
  Recebendo benefícios
  Para dar ao bem comum.

  Que teus gozos e alegrias
  Sejam simples e frugais;
  O pouco vive contente,
  O muito quer sempre mais.

   Embora algemado à carne,
  Eleva-te aos altos níveis…
  O mundo faz vencedores,
  Mas Jesus faz invencíveis.

Casimiro Cunha