Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para domar suas más inclinações. (Allan Kardec - E.S.E, XVII, 4)

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Não percamos mais tempo



Amigos,

Quanto mais a rebeldia humana atinge cifras salientes, temos a sensação de que maior é a misericórdia do Criador para com o gênero humano, permitindo a todos ocasião de avaliar as tortuosidades e de tudo refazer.
Quanto mais a indiferença dos homens alcança níveis calamitosos, percebemos que se faz mais ampla a generosidade do nosso Pai, facultando-nos novas instruções que nos chegam da Imortalidade Feliz.
Quanto mais se acrescem as dores terrestres, distribuídas nas faixas do corpo e da alma, sentimos que mais o Coração dos Céus se enche de enternecimento pelas criaturas, permitindo os progressos da farmacologia e o avanço da psicologia, a fim de que ninguém se possa queixar de abandono e desespero pelos caminhos.
Quanto mais os passos da humanidade optam por roteiros contrários aos da Casa do Pai, entendemos o quanto de piedade é derramado sobre nós, através dos renovados convites e dos instantes apelos que nos são dirigidos das Alturas.
O tempo de agora, sem embargo, chama-nos a iniciar ou a prosseguir os nossos esforços no sentido de abrir mão das posições rebeldes, das atitudes de indiferença, de modo a romper os vínculos com sofrimentos, francamente desnecessários, para seguirmos conscientes e bem dispostos para o nosso destino espiritual, que é a integração com as luzes estelares, tornando-nos um com Jesus Cristo, como Ele foi um com o Pai do Céu, após Seus roteiros de angélica evolução.
Não nos cabe mais relegar o ensejo; não devemos mais procrastinar o dia da perene claridade, que nos aguarda nas dimensões espirituais. O tempo de ventura e crescimento para Deus precisa ser muito bem administrado por nós, os milenários jornadeiros da evolução terrena, a fim de que não mais percamos essas preciosas ensanchas de conquista da paz e da alegria, que a existência no mundo nos oferta.

Luiz Carlos da Veiga / Raul Teixeira, em 26.02.2006, na Fazenda Recreio, em Pedreira-SP.

Para isto

“Porque para isto sois chamados; pois também o Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo.” Pedro (I Pedro, 2:21)

Elevada percentagem de crentes considera-se imune de todos os sofrimentos, porque, no conceito de grande parte daqueles que aceitam a fé cristã, entregar-se às fórmulas religiosas é subtrair-se à luta, candidatando-se à beatitude imperturbável.
Na apreciação de muita gente, os que oram não deveriam conhecer a dor.
O socorro divino assemelhar-se-ia à proteção de um monarca terrestre, doador de favores segundo as bajulações recebidas.
A situação do aprendiz de Jesus é, todavia, muito diversa.
Os títulos do Cristo não são os da inatividade, com isenção de responsabilidade e esforço.
Todos os chamados ao trabalho evangélico não podem esquecer as necessidades do serviço.
O Mestre, naturalmente, precisa companheiros que n’Ele confiem, mas não prescindirá dos que se revelem colaboradores fiéis de sua obra.
Seria justo postar-se indefinidamente o devedor, ante a generosidade do credor, confiando sempre, sem o mínimo sinal de solução ao débito adquirido?
Não somente os homens vivem na lei de permuta.
As Forças Divinas baseiam a movimentação do bem no mesmo princípio.
O Mestre Celestial ensina a todos, em verdade, as sublimes lições da vida; entretanto, não é razoável que todos os séculos assinalem nos bancos escolares da experiência humana os mesmos alunos preguiçosos e inquietos.
É indispensável que as turmas de bons obreiros se dirijam às zonas de serviço, preparados para os testemunhos dos ensinamentos recebidos.
Simão Pedro sintetiza o trabalho dos cristãos de maneira magistral.
Sois chamados para isto assevera o apóstolo.
A afirmativa simples indica que os discípulos leais foram convocados a sofrer pelo bem.
Livro Vinha de Luz – Emmanuel por Chico Xavier – Lição 117

Atmosfera psíquica




O ato de pensar – o principal atributo qualificador da inteligência –, apesar de ser uma capacidade inerente a todos os Espíritos, confere a cada qual uma espécie de identidade particular.
Isto ocorre porque todos, não obstante viverem em uma mesma dimensão, possuem características psíquicas próprias e, portanto, pensam de forma distinta.
Essas peculiaridades no ato de pensar têm sua origem nas variadas experiências vividas pelo indivíduo, considerando suas sequentes encarnações. Por esse motivo, diz-se que cada um possui sua atmosfera psíquica, à qual alguns espíritos e autores deram o nome de hálito psíquico ou halo psíquico, psicosfera, ambiente psíquico, dentre outras denominações.
Em razão da diversidade das experiências vivenciadas e da forma como o ser humano lida com as mesmas, é que a atmosfera psíquica se organiza de forma distinta entre nós. Essa diferenciação na organização psíquica se dá de tal forma que seria impossível encontrar uma atmosfera que fosse perfeitamente idêntica a qualquer outra, tal como ocorre com as impressões digitais e com as singularidades da íris do olho humano.
Devido a tais condições não encontramos pessoas, por mais que tenham compartilhado as mesmas experiências, que pensem de forma absolutamente idêntica sobre qualquer assunto.
Apesar, porém, de tais características estarem tão bem delineadas em cada ser, é fundamental considerar que estamos todos “mergulhados” no mesmo campo de ação, e, por esta razão, interagimos continuamente uns com outros.
Essa interação pode ser facilmente observada quando ocorre no campo físico, pois afeta nossos sentidos carnais. Todavia, os Espíritos nos esclarecem que a influência mútua acontece com muito mais ênfase quando se dá no campo psíquico, onde as relações ocorrem com mais intensidade, seja entre encarnados, entre estes e os desencarnados, e nestes entre si.
Em função dessa influência mútua passamos a desfrutar da companhia uns dos outros, aproximando-nos. Esta proximidade ocorre quando há similaridade de pensamentos, semelhança de pendores, afinidade de ideias, de propósitos, enfim, sintonia. É aí que as atmosferas psíquicas interagem.
Algumas dessas interações são desejadas e aspiradas, resultando em crescimento e progresso moral; isto ocorre quando desfrutamos de companhias de melhor condição espiritual que a nossa, sejam encarnadas ou não, que nos assistem, sempre respeitando nosso livre-arbítrio.

Entretanto, é interessante considerar que a natureza dos relacionamentos mais comuns, que se dão na esfera psíquica, é aquela em que uma das individualidades, ao identificar a sutileza das imperfeições alheias, influencia-a, a fim de que prevaleça a sua vontade sobre a outra. A respeito dessa questão é oportuno lembrar a advertência contida na resposta à pergunta 459, de O Livro dos Espíritos, edição FEB, sobre se nossos pensamentos poderiam sofrer influências de outros Espíritos: “Muito mais do que imaginais, pois frequentemente são eles que vos dirigem”.
Diante desse quadro, e considerando a aspiração daqueles que pretendam alcançar a elevação espiritual, é conveniente relembrar a orientação de Jesus, para que nos dediquemos continuamente à oração e à vigilância.

Licurgo Soares de Lacerda Filho – Revista Reformador / Fevereiro / 2011

sábado, 15 de fevereiro de 2020

Campanha: Conduta Espírita


V Congresso Espírita Brasileiro







































Vem aí o 5º Congresso Espírita Brasileiro.
Saiba mais detalhes sobre a Edição Centro, que acontecerá em Belo Horizonte/MG, dos dias 01 a 03 de maio de 2020:

Hospitalidade


“Não vos esqueçais da hospitalidade, porque, por ela, alguns, não o sabendo, hospedaram os anjos.” – Paulo. (Hebreus, 13:2)

É provável que nem sempre disponhas dos recursos necessários à hospedagem de companheiros da casa.


Obstáculos e vínculos domésticos, em muitas ocasiões, determinam impedimentos.
Se a parentela ainda não se compraz contigo, na cultura da gentileza, não é justo violentes a harmonia do lar, estabelecendo discórdia, em nome do Evangelho que te recomenda servi-los.
Nada razoável empilhar amigos, em espaço irrisório, impondo-lhe constrangimentos, à conta do bem-querer.
Todos nós, porém, conseguimos descerrar as portas da alma e oferecer acolhimento moral.
Nem todos os desabrigados se classificam entre os que jornadeiam sem teto.
Aqui e ali, surpreendemos os que vagueiam, deserdados do apoio e convivência...
Observa e tê-lo-ás no caminho, a te pedirem asilo ao entendimento.
Dá-lhes uma frase de coragem, um pensamento de paz, um gesto de amizade, um momento de atenção.
Às vezes, aquele que hoje se reergue com a tua migalha de amor é quem te vai solucionar as necessidades de amanhã, num carro de bênçãos. Não te digas inútil, nem te afirmes incapaz.
Ninguém existe que não possa auxiliar alguém, estendendo o agasalho da simpatia pelos fios do coração.

Emmanuel / Chico Xavier – Livro: Palavras de Vida Eterna

Não só


“E peço isto: que a vossa caridade abunde mais e mais em ciência e em todo o conhecimento.” Paulo (Filipenses, 1:9)

A caridade é, invariavelmente, sublime nas menores manifestações, todavia, inúmeras pessoas muitas vezes procuram limitá-la, ocultando-lhe o espírito divino.
Muitos aprendizes creem que praticá-la é apenas oferecer dádivas materiais aos necessitados de pão e teto.
Caridade, porém, representa muito mais que isso para os verdadeiros discípulos do Evangelho.
Em sua carta aos filipenses, oferece Paulo valiosa assertiva, com referência ao assunto.
Indispensável é que a caridade do cristão fiel abunde em conhecimento elevado.
Certo benfeitor distribuirá muito pão, mas se permanece deliberadamente nas sombras da ignorância, do sectarismo ou da autoadmiração não estará faltando com o dever de assistência caridosa a si mesmo?
Espalhar o bem não é somente transmitir facilidades de natureza material.
Muitas máquinas, nos tempos modernos, distribuem energia e poder, automaticamente.
Caridade essencial é intensificar o bem, sob todas as formas respeitáveis, sem olvidarmos o imperativo de autossublimação para que outros se renovem para a vida superior, compreendendo que é indispensável conjugar, no mesmo ritmo, os verbos dar e saber.
Muitos crentes preferem apenas dar e outros se circunscrevem simplesmente em saber; as atividades de todos os benfeitores dessa espécie são úteis, mas incompletas.
Ambas as classes podem sofrer presunção venenosa.
Bondade e conhecimento, pão e luz, amparo e iluminação, sentimento e consciência são arcos divinos que integram os círculos perfeitos da caridade.
Não só receber e dar, mas também ensinar e aprender.

Livro Vinha de Luz – Emmanuel por Chico Xavier – Lição 116