Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para domar suas más inclinações. (Allan Kardec - E.S.E, XVII, 4)

quinta-feira, 18 de julho de 2019

"Entre a Terra e o Céu" - Entrevista com José Ávila Neto

Divulgação Espírita

Se existe uma expressão fecunda de gratidão à luz do Espiritismo que nos libertou da ignorância e dos vícios morais, ela pode ser reconhecida no trabalho consciente e ardoroso de sua divulgação, a bem de outros corações...
Pensar o conteúdo doutrinário para sentir Jesus em retorno ao nosso convívio representa a estrada nova e bem pavimentada, capaz, por sua utilidade e valor, de beneficiar toda a Humanidade.
Espiritismo é o clarim matinal que anuncia a Era da Regeneração tão aguardada, e, sob seus auspícios reveladores, a sabedoria e a doçura da fraternidade – fraternidade que é o amor em expansão –, como radioso sol a todos alcança, para a efetiva libertação espiritual de nosso Globo.
Urge, por consciência e dever moral, formarmos fileiras de entendimento e aplicação cadenciada do que nos oferece a Doutrina do Consolador.
Firmeza de ânimo que caracterize um genuíno idealista;
Sentimento solidário, que enalteça os planos do Bem, então concebidos pelo adepto;
Lealdade aos fundamentos da Verdade codificada, por princípio de segurança e valor.
Irmãos: o Espiritismo é o Consolador, abrigando-nos em caridade e paz; todavia, o excelso trabalho que ao Paracleto divino compete executar, necessita de nossas mãos, para que, íntegro e benfeitor, alcance as comunidades – das choupanas singelas e geralmente violentas aos palácios de onde promanam as decisões de ordem e governança do mundo!
Mãos à obra, com Jesus e Kardec!

Caibar Schutel

 Mensagem psicografada pelo médium Wagner G. Paixão durante o encerramento do XV Congresso Espírita de São Paulo, promovido pela USE, em Franca, no dia 01/05/2012

Saibamos confiar

“Não andeis, pois, inquietos.” Jesus (Mateus, 6:31)

Jesus não recomenda a indiferença ou a irresponsabilidade.
O Mestre, que preconizou a oração e a vigilância, não aconselharia a despreocupação do discípulo ante o acervo do serviço a fazer.
Pede apenas combate ao pessimismo crônico.
Claro que nos achamos a pleno trabalho, na lavoura do Senhor, dentro da ordem natural que nos rege a própria ascensão.
Ainda nos defrontaremos, inúmeras vezes, com pântanos e desertos, espinheiros e animais daninhos.
Urge, porém, renovar atitudes mentais na obra a que fomos chamados, aprendendo a confiar no Divino Poder que nos dirige.
Em todos os lugares, há derrotistas intransigentes.
Sentem-se nas trevas, ainda mesmo quando o Sol fulgura no zênite.
Enxergam baixeza nas criaturas mais dignas.
Marcham atormentados por desconfianças atrozes. E, por suspeitarem de todos, acabam inabilitados para a colaboração produtiva em qualquer serviço nobre.
Aflitos e angustiados, desorientam-se a propósito de mínimos obstáculos, inquietam-se, com respeito a frivolidades de toda sorte e, se pudessem, pintariam o firmamento à cor negra para que a mente do próximo lhes partilhe a sombra interior.
Na Terra, Jesus é o Senhor que se fez servo de todos, por amor, e tem esperado nossa contribuição na oficina dos séculos. A confiança d’Ele abrange as eras, sua experiência abarca as civilizações, seu devotamento nos envolve há milênios...
Em razão disso, como adotar a aflição e o desespero, se estamos apenas começando a ser úteis?

Livro Vinha de Luz – Emmanuel por Chico Xavier – Lição 86

Sesquicentenário da Comunicação Social Espírita no Brasil



Julho assinala a efeméride. Foi neste mês, em 1869, que, em Salvador, na Bahia, Luiz Olímpio Telles de Menezes lançou o primeiro jornal espírita do Brasil: O Echo D’Além-Túmulo. Periódico impresso na Tipografia do Diário da Bahia, com redação na Ladeira da Fonte das Pedras, 25. Jornal bimestral de pequeno formato, 13 x 25 cm, diagramação a uma coluna, 56 páginas, preço de assinatura anual de 9.000 réis. Também podia ser adquirido o número avulso nas livrarias de J. Baptista Martin, localizada no perímetro da Praça Thomé de Souza e na de Francisco Queirolo, cidade baixa.
Há quatro anos que o Espiritismo pronunciou na Bahia a sua primeira palavra, destacava o Echo no seu número inaugural. Nosso intuito é estudar os fenômenos que se nos apresentam por maneira tão extraordinária quanto admirável, dizia Luiz Olímpio, que prometia registrar todos os fatos que tiveram lugar em nossas reuniões. E assim o fez durante dois anos, através de uma seção, com aludidas manifestações dos espíritos, assinadas por Santo Agostinho, Antônio Menandro, Cristóvão Colombo, João Evangelista, Galileu, Sócrates, Luiz Offenback, entre outros.
Igualmente reproduzia artigos traduzidos da Revue Spirite, relacionava e sugeria a leitura de obras espíritas. Luiz Olímpio destinava mil réis de cada assinatura vendida para dar liberdade a escravos, de qualquer cor, do sexo feminino, de 4 a 7 anos de idade, nascidos no Brasil.
Telles de Menezes era militar de carreira, professor de língua portuguesa, membro do Instituto Histórico e Geográfico da Bahia, sócio honorário da Sociedade Magnética da Itália e jornalista. Foi tradutor da primeira edição de O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, publicado na Bahia pela tipografia de Lellis Masson.

Na Revue Spirite, edição de outubro de 1869, encontramos referência a esse lançamento:

Bibliografia

NOVOS JORNAIS ESTRANGEIROS

O Eco D’Além-Túmulo, monitor do Espiritismo no Brasil, publicado mensalmente na Bahia, em língua portuguesa, em cadernos de 60 páginas in-octavo, sob a direção do Sr. Luiz Olímpio Telles de Menezes, membro do Instituto Histórico da Bahia.

Condições de assinatura por ano:
Bahia ………………………………………………. 9.000 réis
Províncias brasileiras …………….………. 11.000 réis
Estrangeiro …………………………………….. 12.000 réis
Bahia – Largo do Desterro, 2.

Fonte: Jornal Mundo Espírita – Órgão de Divulgação da Federação Espírita do Estado do Paraná – julho/2019

quinta-feira, 11 de julho de 2019

Nova luz

Galvanizados pela eloquência dos esclarecimentos do Consolador, levantamo-nos para cantar-lhe as notas de gratidão, pelo congraçamento fraternal que nos une as almas em redor da Boa Nova do Evangelho de Jesus, falando-nos de soerguimento e de progresso impostergáveis.
Eis chegada a hora de dedicarmos nosso tempo precioso aos empreendimentos necessários para que conquistemos a renovação própria, tão vastamente exaltada.
Com ingentes esforços, Maria, a cortesã equivocada pela ilusão carnal, abdica do prazer mentiroso e aviltante para alcançar paz, em plenitude de gozo, após travar contato com Jesus deixando para trás a perturbação de que fora presa, em Magdala.
Zaqueu, atormentado onzeneiro, sofrido com coração espinhado pela necessidade de paz, transforma seu roteiro conquistando as bênçãos da paz anelada, no convívio com Jesus.
A mulher aturdida do poço de Jacó, na Samaria, depois do diálogo mantido com Jesus, reergue-se para o verdadeiro sentido da vida, seguindo, então, sob a chancela da dignidade moral, em clima de paz.
Lázaro, somente depois de retornar dos panos da morte, reestrutura seu próprio caminho, vivificado pelas messes de energias que lhe ensejaram paz ao coração, desfechadas por Jesus.
José de Arimateia embrenha-se nas experiências do bem e na intensidade do amor, na sua condição de destacado príncipe, logo que sua alma foi tocada pela presença da paz que de Jesus emanava.
Inumeráveis outros lidadores dos tempos atuais, convertidos ao amor cristão e à renovação dos semelhantes, deixaram-se envolver pela aura luminífera que se evola do Mestre Nazareno, nutrindo-se de paz, a fim de a outros pacificarem, igualmente.
Levanta-se, destarte, a imperiosa necessidade de modificares a conduta, teu proceder, utilizando-te do aprendizado que o Espiritismo faculta, penetrando a vida do Evangelho, transfazendo a pauta cotidiana, tendo a paz necessária para as reflexões maduras, certo de que Jesus Cristo em tua jornada torna-se o Sol excelente a aquecer-te a vida, entendendo que, com Ele, a Doutrina Espírita se te fará ponte levadiça para a imortalidade grandiosa, significando uma nova luz mantendo teus passos com firmeza no vigoroso ideal que te valoriza os dias na Terra.

 Camilo / Psicografia de Raul Teixeira, em 30 de setembro de 1984, na Sociedade Espírita Renovação

Substitutos

“Para alumiar os que estão assentados em trevas e sombra de morte, a fim de dirigir os nossos pés pelo caminho da paz.” (Lucas, 1:79)

É razoável que o administrador distribua serviço e responda pela mordomia que lhe foi confiada.
Detendo encargos da direção, o homem é obrigado a movimentar grande número de pessoas.
Orientará os seus dirigidos, educará os subalternos, dar-lhes-á incumbências que lhes apurem as qualidades no serviço.
Ainda assim, o dirigente não se exime das obrigações fundamentais que lhe competem.
Se houve alguém que poderia mobilizar milhões de substitutos para o testemunho na Crosta da Terra, esse alguém foi Jesus.
Dispunha o Senhor de legiões de emissários esclarecidos, mantinha incalculáveis reservas ao seu dispor. Poderia enviar ao mundo iluminados filósofos para renovarem o entendimento das criaturas, médicos sábios que curassem os cegos e os loucos, condutores fiéis, dedicados a ensinar o caminho do bem.
Em verdade, desde os primórdios da organização humana mobiliza o Senhor a multidão de seus cooperadores diretos, a nosso favor, mesmo porque suas mãos divinas enfeixam o poder administrativo da Terra, mas urge reconhecer que, no momento julgado essencial para o lançamento do Reino de Deus entre os homens, veio, Ele mesmo, à nossa esfera de sombras e conflitos.
Não enviou substitutos ou representantes. Assumiu a responsabilidade de seus ensinamentos e, sozinho, suportou a incompreensão e a cruz.
Inspiremo-nos no Cristo e atendamos pessoalmente ao dever que a vida nos confere.
Perante o Supremo Senhor, todos temos serviço intransferível.

Livro Vinha de Luz – Emmanuel por Chico Xavier – Lição 85