Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para domar suas más inclinações. (Allan Kardec - E.S.E, XVII, 4)

sábado, 31 de agosto de 2019

Seminário Buscai e achareis


“Ação e Reação”: Andrezinho e o uso do livre-arbítrio




O avatar da Microcampanha “A Vida no Mundo Espiritual”, Andrezinho, fala sobre a liberdade de escolha do espírito encarnado e o uso que faz de sua condição masculina ou feminina, e como deverá responder por tudo que fizer, seja hoje ou amanhã.
São valiosos ensinamentos presentes no livro “Ação e Reação”, de autoria de André Luiz e psicografada por Chico Xavier, que completa 62 anos de lançamento em 2019.

Sessão Solene do Senado em Homenagem a Dr. Bezerra de Menezes - 2019



Foi realizada, no dia 29 de agosto, uma Sessão Especial no Senado Federal, em Brasília, em homenagem ao Dr. Bezerra de Menezes. A data foi escolhida por representar o dia de seu nascimento, no ano de 1831.
Requerida pelo Senador Eduardo Girão (PODE-CE), a solenidade contou com a participação de alguns palestrantes, como José Carlos de Lucca, do presidente da Federação Espírita Brasileira (FEB), Jorge Godinho, do presidente da Federação Espírita do Estado do Ceará (FEEC), Luciano Klein, e do ator Carlos Vereza, que interpretou Bezerra no filme Bezerra de Menezes – O Diário de um Espírito.

Palestras CEJG - Setembro/2019


A boa palavra



Os relacionamentos humanos, na atualidade, invariavelmente ocorrem entremeados de queixas e reclamações. Este é um período de descontentamento entre as pessoas com características de pessimismo e amargura.
Os maus exemplos de conduta moral e social de pessoas aparentemente nobres e de destaque na comunidade geraram sucessivas ondas de mal-estar e de agressividade.
Aqueles tipos padrões tombando dos altos postos que exerciam e surpreendidos como delinquentes insanos e perigosos, recolhidos ao cárcere ou não, vêm contribuindo para que não se acredite nos valores éticos, supondo-se que as virtudes são apenas ignorância dos comportamentos daqueles que se apresentam como modelos.
Os escândalos sucessivos nessa área geram insegurança e produzem desconfiança, respondendo pela perda de crédito das pessoas, umas em relação a outras.
Lentamente a ética da convivência cede lugar à indiferença, quando não a uma animosidade discreta ou clara, elegendo o individualismo e o egotismo como formas de sobrevivência, no que se denomina a batalha diária da existência.
Todos nascemos livres na condição de candidatos à felicidade. A educação e a instrução proporcionam os recursos próprios para se conseguir uma jornada rica de bênçãos, em uma sociedade equânime, se forem respeitados os códigos do Evangelho de Jesus. A sua observância constitui uma forma lúcida para o bem-estar de todo aquele que a isso se candidate.
Nunca houve tanto amor na sociedade como nos dias atuais, embora os noticiários da mídia sejam alarmantes, por apresentarem as ocorrências negativas e infelizes geradas por pessoas ainda primárias nas suas realizações com total ausência de ideais de nobreza.
Os princípios normativos da conduta evangélica, segundo Jesus, são todos baseados na excelência do amor e naquilo que desejamos para nós próprios, oferecendo aos demais. Desse modo, nunca te permitas desanimar alguém, usar as palavras de fogo da ofensa, as acusações perversas nascidas na inveja e na inferioridade moral. Todos temos muito a oferecer, que dignifica a vida e proporciona o crescimento espiritual dos seres humanos. Procura sempre estimular para o bem e enunciar palavras de encorajamento e de abnegação em favor do mundo.
As criaturas humanas necessitamos de estímulos edificantes para atender as necessidades do processo evolutivo. Não deixes, pois, que ninguém se afaste de ti, sem que leve algo de bom e especial para servir-lhe de sustentação numa hora difícil ou de levantamento quando se encontre caído.
Os teus bons conceitos e ações caindo nos corações aflitos germinarão como sementes de luz, a fim de que a sociedade se torne plena e o ser humano um hino de louvor e gratidão a Deus.

Divaldo Franco 
Artigo publicado no jornal A Tarde, coluna Opinião, em 25/07/2019. 
Do site: www.divaldofranco.com.br

sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Objetivo da fé


“Alcançando o fim da vossa fé, que é a salvação das vossas almas.” Pedro (I Pedro, 1:9)

“Qual a finalidade do esforço religioso em minha vida?” Esta é a interrogação que todos os crentes deveriam formular a si mesmos, frequentemente.
O trabalho de autoesclarecimento abriria novos caminhos à visão espiritual.
Raramente se entrega o homem aos exercícios da fé, sem espírito de comercialismo inferior. Comumente, busca-se o templo religioso com a preocupação de ganhar alguma coisa para o dia que passa.
Raciocínios elementares, contudo, conduziriam o pensamento a mais vastas ilações.
Seria a crença tão somente recurso para facilitar certas operações mecânicas ou rudimentares da vida humana? Os irracionais, porventura, não as realizam sem maior esforço? Nutrir-se, repousar, dilatar a espécie, são característicos dos próprios seres embrionários.
O objetivo da fé constitui realização mais profunda. É a “salvação” a que se reporta a Boa Nova, por excelência. E como Deus não nos criou para a perdição, salvar, segundo o Evangelho, significa elevar, purificar e sublimar, intensificando-se a iluminação do espírito para a Vida Eterna.
Não há vitória da claridade sem expulsão das sombras, nem elevação sem suor da subida.
A fé representa a bússola, a lâmpada acesa a orientar-nos os passos através dos obstáculos; localizá-la em ângulos inferiores do caminho é um engano de consequências desastrosas, porque, muito longe de ser uma alavanca de impulsão para baixo, é asa libertadora a conduzir para cima.

Livro Vinha de Luz – Emmanuel por Chico Xavier – Lição 92

Nos domínios da fala

Não somente falar, mas verificar, sobretudo, o que damos com as nossas palavras.

Automaticamente, transferimos estados de alma para aqueles que nos ouvem, toda vez que damos forma às emoções e pensamentos com recursos verbais.

Terás pronunciado formosos vocábulos, selecionando frases a capricho, no entanto, se não as tiveres recamado de bondade e entendimento é possível que tenhas colhido apenas indiferença ou distância nos companheiros que te compartilham a experiência. Ainda mesmo hajam sido as tuas expressões das mais corretas e das mais nobres, gramaticalmente considerando, se nelas colocaste quaisquer vibrações de pessimismo ou azedume, ironia ou insinceridade, elas terão sido semelhantes a recipientes de ouro que derramassem vinagre ou veneno, ferindo ou amargurando corações ao redor de ti.

Isso ocorre porque, instintivamente, a nossa palavra está carregada de nosso próprio espírito, ou melhor, insuflamos os próprios sentimentos em todos aqueles que nos prestem atenção.
À vista disso, analisemo-nos em tudo o que dissermos.

Conversa é doação de nós mesmos. Opiniões que exteriorizemos são pinceladas para a configuração de nosso retrato moral. Mais que isso, o verbo é criador. Cada frase é semente viva. Plantamos o bem ou o mal, a saúde ou a enfermidade, o otimismo ou o desalento, a vida ou a morte, naqueles que nos escutam, conforme as ideias edificantes ou destrutivas que lhes imponhamos pelos mecanismos da influenciação, ainda mesmo indiretamente.

Balsamizarás as feridas dos que se encontrem caídos nas trilhas do mundo, entretanto, que será de nossos irmãos horizontalizados na angústia se não lhes instilamos no coração a fé necessária para que se levantem na condição de filhos de Deus, tão dignos e tão necessitados da bênção de Deus, quanto nós?

Estudemos a nossa palavra, entendendo-lhe a importância na vida.

Diálogo é o agente que nos expõe o mundo íntimo.

O verbo é o espelho que nos reflete a personalidade real para julgamento dos outros.

Falarás e aparecerás.



Emmanuel / Chico Xavier – Livro: Coragem

sábado, 24 de agosto de 2019

Filme ‘Kardec’ estreia nas plataformas de streaming este mês























O filme Kardec – A História por Trás do Nome levou mais de 550 mil espectadores ao cinema desde a sua estreia, ocorrida em 16 de maio deste ano, e teve bilheteria arrecadada em mais de R$8 milhões.
No entanto, se você não conseguiu assistir ao longa-metragem ou tem vontade de revê-lo, vem aí uma boa oportunidade. Os produtores de Kardec firmaram parceria com as principais empresas de streaming (plataformas de transmissão de filmes e séries de TV) para a exibição do filme.
A partir de 15 de agosto, a história de Allan Kardec estará disponível no Google Play, NET NOW e Looke. Já no catálogo da NETFLIX, o filme estreia no dia 30 de agosto.

Fonte: uemmg.org.br

Senado Federal vai homenagear Bezerra de Menezes























A solenidade foi requerida pelo Senador Eduardo Girão (PODE / CE), terá entrada aberta a todos os interessados e será transmitida diretamente do Plenário da Casa pela TV Senado.

Tim e Vanessa lançam novo CD: ‘Cântaro’




“Então, deixando o seu cântaro, a mulher voltou à cidade e disse ao povo: ‘Venham ver um homem que me disse tudo o que tenho feito. Será que ele não é o Cristo?’” - (João 4, 28:29)

Os irmãos Tim e Vanessa presenteiam o público com mais um belo trabalho: Cântaro. O álbum foi lançado essa semana, em parceria com a União Espírita Mineira (UEM) e o COFEMG (Conselho Federativo Espírita de Minas Gerais), e reúne sete canções inéditas e regravações de outras já consagradas pelo público.

Fruto de uma apresentação musical realizada no Teatro Sesiminas, em Belo Horizonte/MG, em setembro de 2016, Cântaro é uma coletânea com 16 músicas selecionadas para proporcionar uma sensação de encontro íntimo com Jesus e com a verdade de Seu Evangelho.

O CD Cântaro pode ser adquirido no site Tim e Vanessa - CLIQUE AQUI - ou na Livraria Espírita Mineira (rua dos Guaranis, 313, Centro de BH). Também está disponível para assinantes de plataformas musicais digitais, como Spotify, Deezer, SoundCloud, etc.

Cântaro era um vaso de barro usado na época do Cristo para armazenar e servir água. De acordo com o músico Tim Santos, o novo álbum teve esse nome propositalmente escolhido.

“Nossa inspiração veio da passagem de Jesus com a mulher samaritana no poço de Jacó. A ideia foi usar o cântaro como símbolo, objeto que serve e mata a sede - no caso, a nossa sede da luz do Evangelho. É uma alegria imensa conseguirmos disponibilizar aos irmãos esse trabalho, pelo qual agradecemos muito a Deus”, disse Tim.

Vanessa Santos também fez coro às palavras do irmão: “Essa passagem é muito significativa, envolve uma atmosfera mística e nos convida a refletir sobre a missão de Jesus na Terra. Nossas canções buscam convidar o público a ter a mesma sensação de saciedade que teve a mulher da Samaria ao ver o Mestre”.

O CD traz gravações inéditas das canções:  Aprendiz, O Apóstolo da Samaria, Bilha, Cântaro, Espelho Meu, Nosso Natal e Re-vida. Também compõe o álbum regravações de:  A Casa-lar, A Prece, Ave, Caim e Abel, Caminhando Juntos, Concepção Astral, Luzes da Luz, Pedro  e Vaso Escolhido.

Fonte: uemmg.org.br

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

30ª Semana Espírita de Teófilo Otoni/MG


A Aliança Municipal Espírita de Teófilo Otoni irá realizar sua 30ª Semana Espírita, entre os dias 17 e 21 de setembro de 2019, a partir das 20h, na sede social do Automóvel Clube.

Com o tema "Cristianismo e Espiritismo", o evento irá abordar, em suas palestras diárias, temáticas extraídas do Evangelho de Jesus, e explanadas sob a luz da Doutrina Espírita.

Em sua 30ª Edição, a Semana Espírita de Teófilo Otoni trará, em seu ponto alto, Palestra Lítero-Musical, com o tema "O Sermão do Monte", espetáculo montado por grupo de artistas espíritas da cidade especialmente para a ocasião.

Semaninha Espírita

Mantendo a tradição dos anos anteriores, será realizada a 3ª Edição da Semaninha Espírita na Fraternidade Espírita Joaquim Portugal, de terça a sexta, com culminância sábado no Automóvel Clube.

Realizado pela Área de Infância e Juventude da AME, o evento busca desenvolver a temática de cada dia em atividades evangelizadoras com as crianças ao longo da Semana Espírita.

Mais informações e a programação completa na página do evento no facebook: https://www.facebook.com/events/455985318318165/ 

Comunicação Social Espírita
12º Conselho Regional Espírita
Teófilo Otoni

160 anos - O que é o Espiritismo






































O livro O que é o Espiritismo (em francês: Qu'est-ce que le Spiritisme) completa 160 anos em 2019. Editada em 1859, em Paris, França, por Allan Kardec, a obra é um complemento ao pentateuco espírita que visa apresentar a Doutrina de forma didática e objetiva.

É dividida em três capítulos. O primeiro traz diálogos de Kardec com um crítico, um cético e um padre, na forma de respostas aos que desconhecem os princípios básicos doutrinários e de refutações aos seus contraditores.

O segundo expõe partes da ciência prática e experimental, fornecendo maiores subsídios aos iniciantes do Espiritismo e constituindo-se um resumo de O Livro dos Médiuns.

Já o terceiro capítulo apresenta um resumo de O Livro dos Espíritos, apontando soluções para problemáticas de ordem psicológica, moral e filosófica – amplamente levantadas no dia a dia.

Além disso, O que é o Espiritismo também traz uma biografia de Allan Kardec redigida pelo biógrafo e escritor Henri Sausse. Nela é possível o leitor conhecer melhor a vida pessoal, familiar e acadêmica do professor Hippolyte-Léon-Denizard Rivail (verdadeiro nome de Kardec), os desafios econômicos e sociais enfrentados por ele, a codificação e difusão do Espiritismo na Europa e a fundação da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas.

Em seu preâmbulo, a obra já sintetiza a que veio: responder e dar a definição da Doutrina Espírita. “O Espiritismo é uma ciência que trata da Natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal”, diz o livro.

           Em 2019, a Federação Espírita Brasileira (FEB) e as Federativas Espíritas estaduais lançam uma campanha comemorativa visando divulgar e incentivar os espíritas - e não espíritas - a conhecer esta importante obra: O que é o Espiritismo.


Fonte: uemmg.org.br

Ação e reação






































"Ação e Reação" é o 9º livro da Microcampanha "A Vida no Mundo Espiritual" por iniciativa da UEM/COFEMG.

Ante a palavra do Cristo


".... As palavras que eu vos disse, são espírito e vida." Jesus (João, 6:63).

Em todos os tempos surgem no mundo grandes Espíritos que manejam a palavra, impressionando multidões; entretanto, falam em âmbito circunscrito, ainda quando se façam ouvidos em vários continentes.
Dante define uma época.
Camões exalta uma raça.
Shakespeare configura as experiências de um povo.
Voltaire exprime determinada transformação social.
A palavra de Jesus, no entanto, transcende lavores artísticos, joias literárias, plataformas políticas, postulados filosóficos, fórmulas estanques. Dirige-se a todas as criaturas da Terra, com absoluta oportunidade, estejam elas nesse ou naquele campo de evolução.
É por isso que a Doutrina Espírita a reflete, não por mera reforma dos conceitos superficiais do movimento religioso, à maneira de quem desmontasse antigo prédio para dar disposição diferente aos materiais que o integram, em novo edifício destinado a simples efeitos exteriores.
Os ensinamentos do Mestre, nos princípios espíritas cristãos, constituem sistema renovador, indicação de caminho, roteiro de ação, diretriz no aperfeiçoamento de cada ser.
Quando os manuseies, não te julgues, assim apenas como quem se vê à frente de um espetáculo de beleza, junto do qual devas tão somente chorar, seja nutrindo a fonte da própria emotividade ou penitenciando-te, quanto aos próprios erros.
Além das lágrimas, aprendamos igualmente a pensar, a purificar-nos, a reerguer-nos e servir.
A necessidade da alma é semelhante à sede ou à fome, ao desajuste moral ou à moléstia, que são iguais em qualquer clima.
A lição do Cristo é também comparável à fonte e ao pão, ao fator equilibrante e ao medicamento, que são fundamentalmente os mesmos, em toda parte.
No trato, pois, de nós ou dos outros, é forçoso não olvidar que o próprio Senhor nos avisou de que as suas palavras são espírito e vida.

Emmanuel / Chico Xavier – Livro: Palavras de vida eterna

Migalha e multidão

“E tendo mandado que a multidão se assentasse sobre a relva, tomou os cinco pães e os dois peixes e, erguendo os  olhos ao céu, os abençoou e, partindo os pães, deu-os aos discípulos, e os discípulos à multidão.” (Mateus, 14:19.)

Ante o quadro da legião de famintos, qualquer homem experimentaria invencível desânimo, considerando a migalha de cinco pães e dois peixes. Mas Jesus emprega o imenso poder da bondade e consegue alimentar a todos, sobejamente.
Observemos, contudo, que para isso toma os discípulos por intermediários.
O ensinamento do Mestre, nesse passo do Evangelho, é altamente simbólico.
Quem identifica a aluvião de males criados por nós mesmos, pelos desvios da vontade, na sucessão de nossas existências sobre a Terra, custa a crer na migalha de bem que possuímos em nós próprios.
Aqui, corrói a enfermidade, além, surge o fracasso, acolá, manifestam-se expressões múltiplas do crime.
Como atender às necessidades complexas?
Muitos aprendizes recuam ante a extensão da tarefa.
Entretanto, se o servidor fiel caminha para o Senhor, a migalha de suas luzes é imediatamente suprida pelo milagre da multiplicação, de vez que Jesus, considerando a oferta espontânea, abençoar-lhe-á o patrimônio pequenino, permitindo-lhe nutrir verdadeiras multidões de necessitados.
A massa de nossas imperfeições ainda é inaquilatável.
Em toda parte, há moléstias, deficiências, ruínas...
É imprescindível, no entanto, não duvidar de nossas possibilidades mínimas no bem.
Nossas migalhas de boa vontade na disposição de servir santamente, quando conduzidas ao Cristo, valem mais que toda a multidão de males do mundo.

Livro Vinha de Luz – Emmanuel por Chico Xavier – Lição 91

Convivência com Jesus

Dizes que é quase impossível manter a mente em clima de equilíbrio, face às invitações aberrantes para o prazer e o consequente desgaste existencial, no qual se encontra a sociedade contemporânea.
Em toda parte, as paixões subalternas explodem com vigor, levando os indivíduos a comportamentos inexplicáveis, não fosse o baixo nível emocional em que se encontram, aumentam voluptuosamente a violência, o sexismo sempre exaltado e disputado, como artigo de uso exaustivo, devorador.
As antigas cidades de Sodoma e Gomorra parecem uma caricatura singela da agressiva realidade hodierna. Condenadas, segundo a tradição velho testamentária, foram destruídas de maneira inclemente.
De igual maneira, ocorre na atualidade a consumpção dos corpos e das existências pelo desgaste exagerado das energias, no banquete insaciável do gozo.
As ambições do luxo e da extravagância atingem índices de quase loucura no exibicionismo virtual, no qual, os fenômenos da vaidade alcançam o requinte da ausência de pudicícia e privacidade. Expõe-se o real e o fantasioso com naturalidade, chegando-se à extravagância em detrimento do equilíbrio e da sensatez.
A tecnologia que tantos benefícios tem ensejado à cultura social, torna-se objeto de projeção pessoal e de inveja para os menos favorecidos.
Duas classes destacam-se no relacionamento humano: a dos que possuem e a dos carentes. Entre elas tem prioridade a dos que furtam e se tornam criminosos por ódios e perversidades mal conduzidos, que pretendem arrancá-los da miséria e os promoverem ao primeiro status.
Impossibilitados de adquirir recursos de forma lícita e mediante o trabalho, acompanham o desfilar da futilidade dourada, desejando igualar-se aos poderosos sem maior esforço de honra e sacrifício. Discriminados pela pobreza e atormentados pela inveja, recorrem ao crime em que se comprazem, aumentando os níveis de desconforto e insegurança dos demais membros da sociedade.
Nesse báratro, a dor visível, disfarçada ou desconhecida, estabelece pouso em todo o organismo social, chamando-o à razão mediante a reflexão. Sem exceção, penetra tugúrios e mansões fiel ao seu papel de auxiliar os Espíritos ao amadurecimento e ao bem proceder.
Enfermidades físicas e distúrbios psicológicos mesclam-se nos seres humanos e os empurram, por falta de estrutura moral, a situações deploráveis.
Tudo poderia ser resolvido de maneira simples e exitosa, caso tivesse lugar nos comportamentos maior vigilância ao egoísmo e ao orgulho, essas chagas purulentas que ainda predominam em a natureza humana.
Se fossem adotadas as propostas de Jesus como encontrar-se a plenitude e se poderia viver em saudável ambiente de paz.
Procura experimentar viver um pouco mais Jesus.
Acalma as ansiedades do prazer por um pouco e silencia o desespero que urde soluções perversas para as situações mais complexas e tormentosas.
Pensa n’Ele, na Sua vida, na filosofia que propôs.
Traze-O para conviver no lar, no teu dia a dia, em tuas emoções e pensamentos.
Familiariza-te com os Seus ensinamentos, incorporando-os às tuas atividades.
Observa os tipos que Ele elegeu para conviver e ficarás surpreso, considerando-se os preconceitos e caprichos da época, a situação perversa e ingrata em que viviam os miseráveis. Foram esses, exatamente, aqueles que eram detestados pela conduta que se permitiam, pela situação deplorável em que viviam, que Ele elegeu para amigos e companheiros de convivência diária, nas tascas ultrajantes e nas ruas do abandono, levando-lhes o conforto e a esperança.
Com facilidade, no entanto, trasladava-se das baiucas sórdidas para as multidões que orientava, dando diretrizes para a edificação do reino de paz e de alegria nas paisagens destroçadas do coração.
Pergunta-Lhe, quando estiveres em dúvida, qual a melhor solução, que faria Ele em teu lugar?
Descobrirás a verdadeira ventura que não te impedirá de viver no mundo, após superadas as ilusões, as fantasias de efeito frustrante. No contato com Ele passarias a ver beleza e encantamento num grão de areia como numa estrela de primeira grandeza, tanto quanto no sorriso descontraído de uma criança ou na lágrima na face de um ancião.
 Na convivência com Ele aprenderias a ter paciência e a harmonizar-te, conseguindo tornar-te um evangelho de feitos.
Não consideres as quinquilharias que abarrotam os espaços domésticos mais importantes do que os tesouros que Ele oferece e apenas ocupam a mente e o sentimento, acompanhando-te sempre.
Lê mais os Seus ensinamentos e impregna-te deles.
Conhecerás a razão do existir e trilharás a via que conduz ao pouso de segurança.
Se conseguires conduzir Jesus ao teu lar, de imediato Ele irá possuindo o teu coração e tudo se transformará em tua vida, ensejando-te a conquista da plenitude.
Imagina o que aconteceu a Zaqueu e família naquela noite em que Ele dormiu no seu ninho doméstico! Quais teriam sido os temas tão extraordinários que modificaram completamente a existência do detestado cobrador de impostos? Qual a psicosfera que permaneceu naquele lar, após a saída d’Ele, que fez o homem infeliz dedicar-se no fim da vida ao ministério do amor e da caridade?
A sua existência nunca mais foi a mesma e até hoje, à semelhança daquele homem felizardo, pede-Lhe para que também te visite, passe uma noite em tua casa.
Joanna de Ângelis
Psicografia de Divaldo Pereira Franco, na sessão mediúnica do Centro Espírita Caminho da Redenção,
em Salvador, Bahia, em 2 de janeiro de 2017.