Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para domar suas más inclinações. (Allan Kardec - E.S.E, XVII, 4)

terça-feira, 26 de março de 2013

Mensagem da Semana


EM FAMÍLIA

 

       “Aprendam primeiro a exercer piedade para com a sua própria fa­mília e a recompensar seus pais, por­que isto é bom e agradável diante de Deus.” — Paulo. (1ª Epístola a Timóteo, Capítulo 5, Versículo 4.)

 


A luta em família é problema fundamental da redenção do homem na Terra. Como seremos ben­feitores de cem ou mil pessoas, se ainda não apren­demos a servir cinco ou dez criaturas? Esta é inda­gação lógica que se estende a todos os discípulos sinceros do Cristianismo.

Bom pregador e mau servidor são dois títulos que se não coadunam.

O apóstolo aconselha o exercício da piedade no centro das atividades domésticas, entretanto, não alude à piedade que chora sem coragem ante os enigmas aflitivos, mas àquela que conhece as zonas nevrálgicas da casa e se esforça por eliminá-las, aguardando a decisão divina a seu tempo.

Conhecemos numerosos irmãos que se sentem sozinhos, espiritualmente, entre os que se lhes agre­garam ao círculo pessoal, através dos laços consanguíneos, entregando-se, por isso, a lamentável de­sânimo.

É imprescindível, contudo, examinar a transito­riedade das ligações corpóreas, ponderando que não existem uniões casuais no lar terreno. Preponderam aí, por enquanto, as provas salvadoras ou regenera­tivas. Ninguém despreze, portanto, esse campo sa­grado de serviço por mais se sinta acabrunhado na incompreensão. Constituiria falta grave esquecer-lhe as infinitas possibilidades de trabalho iluminativo.

É impossível auxiliar o mundo, quando ainda não conseguimos ser úteis nem mesmo a uma casa pe­quena — aquela em que a Vontade do Pai nos situou, a título precário.

Antes da grande projeção pessoal na obra coleti­va, aprenda o discípulo a cooperar, em favor dos fami­liares, no dia de hoje, convicto de que semelhante esforço representa realização essencial.

Livro Pão Nosso - Emmanuel por Chico Xavier

domingo, 24 de março de 2013

Novo Site da União Espírita Mineira

Equipe DCSE - UEM
 
     Já está no ar o novo site da União Espírita Mineira, com o principal objetivo de informar, aproximar e apoiar o movimento espírita mineiro, visando simplicidade e conteúdo. Contendo as informações da própria UEM e hospedando o COFEMG (Conselho Federativo Espírita do Estado de Minas Gerais), o órgão máximo espírita de MG.
    Os organizadores do sítio criaram o e-mail: site@uemmg.org.br por onde desejam receber todas sugestões, ideias e críticas com a proposta de crescimento e  lembrando a fala de Emmanuel através de Chico Xavier direcionada a Neném Alluotto ex-presidente da UEM: "mourões juntos não constroem cerca"; cada um de nós em seu campo de ação e trabalho mas juntos construindo um Movimento Espírita Mineiro Unificado em torno de Jesus e Kardec.

domingo, 17 de março de 2013

Centésima Edição do Boletim Eletrônico Semanal



   O Boletim Eletrônico Semanal do Centro Espírita Joseph Gleber completa hoje 100 edições, levando luz a todos os confrades por meio de mensagens edificantes e consoladoras da nossa Doutrina.
   O periódico editado pela Equipe de Comunicação do Departamento de Comunicação Social Espírita - DCSE, foi repaginado por ocasião de sua centésima edição e ganhou um nome: "Mais Luz".
  Quem tiver interesse em receber semanalmente um exemplar do Boletim deve enviar uma mensagem para dcse.divulg@gmail.com com a palavra "inclusão" no campo assunto.
   "Mais Luz" para todos!
 

domingo, 10 de março de 2013

Audiobooks Espíritas

O confrade Eduardo Figueira, do Centro Espírita Joseph Gleber, organizou uma coletânea de livros espíritas em áudio, objetivando levar a luz da Doutrina a todos aqueles que apresentam dificuldades para ler, e está disponibilizando o material para quem tiver interesse.
Para maiores informações, procurem o companheiro na Casa Espírita.

Opinião dos Espíritos sobre Evangelização

Como os Espíritos situam, no conjunto das atividades da Instituição Espírita, a tarefa da Evangelização Espírita Infanto-Juvenil?


Tem sido enfatizado, quanto possível, que a tarefa da Evangelização Espírita Infanto-Juvenil é do mais alto significado dentre as atividades desenvolvidas pelas Instituições Espíritas, na sua ampla e valiosa programação de apoio à obra educativa do homem. Não fosse a evangelização, o Espiritismo, distante de sua feição evangélica, perderia sua missão de Consolador, renteando-se com a diversidade das escolas religiosas no mundo que, embora úteis e oportunas, estiolaram-se no tempo absorvendo posições de terminalidade e dogmatismo.

É forçoso reconhecer que Espiritismo sem aprimoramento moral, sem evangelização do homem é como um templo sem luz.

Já tivemos oportunidade de lembrar que uma Instituição Espírita representa uma equipe de Jesus em ação e, como tal, deverá concretizar seus sublimes programas de iluminação das almas, dedicando-se com todo empenho à evangelização da infância e da mocidade.

Bezerra de Menezes
Psicografia Júlio Cezar Grandi Ribeiro – Vila Velha (ES), 2 de agosto de 1982

quarta-feira, 6 de março de 2013

Expositores e temas do mês de março/13

DATA
HORA
T E M A
FACILITADOR
01/SEX
20:00
JESUS, A ENCARNAÇÃO DO AMOR
JOSÉ ODAILDES OLIVEIRA
03/DOM
08:30
ESCÂNDALO: CORTAR A MÃO
GILSON PEREIRA
06/QUA
20:00
O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO
MACILENE OLIVEIRA
08/SEX
20:00
O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO
MACILÉA OLIVEIRA
10/DOM
08:30
O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO
MACILÉA OLIVEIRA
13/QUA
20:00
A ALMA (LE - 139 a 142)
MYRIAN OLIVEIRA
15/ SEX
20:00
O EVANGELHO E A MULHER
EDMILSON PEREIRA
17/DOM
08:30
JESUS, A ENCARNAÇÃO DO AMOR
JOSÉ ODAILDES OLIVEIRA
20/QUA
20:00
A ALMA (LE – 143 a 146-A)
MACILENE OLIVEIRA
22/SEX
20:00
FAZER O BEM SEM OSTENTAÇÃO
OLENCA GALDINO
24/DOM
08:30
FAZER O BEM SEM OSTENTAÇÃO
OLENCA GALDINO
27/QUA
20:00
MATERIALISMO (LE – 147 a 148)
FABIANO MUNIZ
29/SEX
20:00
AINDA HOJE... BARRABÁS OU JESUS?
REGINA COELI
31/DOM
08:30
AINDA HOJE... BARRABÁS OU JESUS?
ÁGUIDA EMÍLIA

domingo, 3 de março de 2013

O Espelho da Vida

 A mente é o espelho da vida em toda parte.
   Ergue-se na Terra para Deus, sob a égide do Cristo, à feição do diamante bruto, que, arrancado ao ventre obscuro do solo, avança, com a orientação do lapidário, para a magnificência da luz.
   Nos seres primitivos, aparece sob a ganga do instinto, nas almas humanas surge entre as ilusões que salteiam a inteligência, e revela-se nos Espíritos Aperfeiçoados por brilhante precioso a retratar a Glória Divina.
   Estudando-a de nossa posição espiritual, confinados que nos achamos entre a animalidade e a angelitude, somos impelidos a interpretá-la como sendo o campo de nossa consciência desperta, na faixa evolutiva em que o conhecimento adquirido nos permite operar.
   Definindo-a por espelho da vida, reconhecemos que o coração lhe é a face e que o cérebro é o centro de suas ondulações, gerando a força do pensamento que tudo move, criando e transformando, destruindo e refazendo para acrisolar e sublimar.
   Em todos os domínios do Universo vibra, pois, a influência recíproca.
   Tudo se desloca e renova sob os princípios de interdependência e repercussão.
   O reflexo esboça a emotividade.
   A emotividade plasma a ideia.
   A ideia determina a atitude e a palavra que comandam as ações.
   Em semelhantes manifestações alongam-se os fios geradores das causas de que nascem as circunstâncias, válvulas obliterativas ou alavancas libertadoras da existência.
   Ninguém pode ultrapassar de improviso os recursos da própria mente, muito além do círculo de trabalho em que estagia; contudo, assinalamos todos nós, os reflexos uns dos outros, dentro da nossa relativa capacidade de assimilação.
   Ninguém permanece fora do movimento de permuta incessante.
   Respiramos no mundo das imagens que projetamos e recebemos. Por elas, estacionamos sob a fascinação dos elementos que provisoriamente nos escravizam e, através delas, incorporamos o influxo renovador dos poderes que nos induzem à purificação e ao progresso.
   O reflexo mental mora no alicerce da vida.
   Refletem-se as criaturas, reciprocamente, na Criação que reflete os objetivos do Criador.
 
Pensamento e Vida – Emmanuel e Chico Xavier

Decisão e Vontade

     Incerteza parece coisa de pouca monta, mas é assunto de importância fundamental no caminho de cada um.
As criaturas entram na instabilidade moral, habituam-se a ela, e passam ao domínio das forças negativas sem perceber.
Dizem-se confiantes pela manhã e acabam indecisas à noite.
Frequentemente rogam em prece:
- Senhor! Eis-me diante de tua vontade!...
Mostra-me o que devo fazer!...
E quando o Senhor lhes revela, através das circunstâncias, o quadro de serviço a expressar-se, conforme as necessidades a que se ajustam, exclamam em desconsolo:
- Quem sou eu para realizar semelhante tarefa?
Não tenho forças.
Ai de mim que sou inútil!...
Sabem que é preciso servir para se renovarem, mas paradoxalmente esperam renovar-se sem servir.
Dispõem de verbo fácil e muitas vezes se proclamam inabilitadas para falar auxiliando a alguém nas construções do Espírito.
Possuem dedos ágeis, quais filtros inteligentes engastados nas mãos; entretanto, costumam asseverarem-se inseguras na execução das boas obras.
Ouvem preleções edificantes ou mergulham-se na assimilação de livros nobres, prometendo heroísmo para o dia seguinte, mas, passada a emoção, volvem à estaca zero, à maneira de viajante que desiste de avançar nos primeiros passos de qualquer jornada.
Louvam na rua o equilíbrio e a serenidade e, às vezes, dentro de casa, disputam campeonatos de irritação.
O dever jaz à frente, a oportunidade de elevação surge brilhando, os recursos enfileiram-se para o êxito e realizações chamam urgentes, mas preferem a fuga da obrigação sob o pretexto de que é preciso cautela para evitar o mal, quando o bem francamente lhes bate à porta.
Trabalho, ação, aprendizado, melhoria!...
Não te ponhas à espera deles sob a imaginária incapacidade de procurá-los, à vista de imperfeições e defeitos que te marcaram ontem.
Realização pede apoio da fé.
Mãos à obra.
Tudo o que serve para corrigir, elevar, educar e construir, nasce primeiramente no esforço da vontade unida à decisão.

(Rumo Certo/Emmanuel / Francisco Cândido Xavier)