Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para domar suas más inclinações. (Allan Kardec - E.S.E, XVII, 4)

sábado, 30 de setembro de 2017

Suicídio: Falsa solução


Conscientizar as pessoas a respeito das consequências do suicídio no além-túmulo, uma vez que a morte não existe, das dores que maceram os familiares, do ultraje às Leis Divinas, foi o objetivo do quarto dia de exposições da XXVIII Semana Espírita de Teófilo Otoni.
O tema foi brilhantemente apresentado pela companheira Abigail Guimarães que integra o Movimento Espírita da cidade de Vitória da Conquista/BA.
Afinal, tem o ser humano o direito de dispor de sua própria vida?
Abigail trouxe dados estatísticos do suicídio no Brasil e no mundo. Números que estarrecem, pois superam a quantidade de homicídios e vítimas de ações terroristas. Segundo dados da OMS a cada 2 segundos uma pessoa atenta contra a própria vida, e a cada 40 segundos umas delas consegue por termo à sua existência. Poucos países incluíram a prevenção ao suicídio entre suas prioridades na política de saúde pública, e em diversas sociedades, o tema é tabu, e por isso não é discutido abertamente.
Mas, como ajudar?
A palestrante falou sobre o preconceito em torno do tema, as causas, o crescimento alarmante entre os jovens, salientando a necessidade de um olhar especial para essas pessoas. Mostrou a vida futura inutilizando o suicídio, e o problema das influências espirituais. Citou questões de “O Livro dos Espíritos” (943 a 957), comentou sobre a vida de Camilo Castelo Branco narrada no livro “Memórias de um suicida” de Yvonne Pereira, convidou a todos a estudarem o artigo escrito por Allan Kardec na Revista Espírita de Julho/1862 , que aborda esse tema. Citou também “O Céu e o Inferno”, além de um livro intitulado “O demônio do meio dia”. Literatura que esclarece e ajuda no enfrentamento do problema.
Notória a necessidade de sensibilização de toda a sociedade em torno da gravidade desse mal. Dialogar com bondade com as pessoas que tem propensão para o suicídio, e estimular a valorização pessoal são atitudes positivas. Fé, resignação e submissão à vontade de Deus...
A expositora promoveu uma reflexão sobre os campos de concentração da Segunda Guerra Mundial, mostrando as diferentes posturas diante daquele grande martírio. Citou o caso de Viktor Frankl como exemplo de superação e valorização da vida,  e encerrou sua fala com trechos das canções de Gonzaguinha que exaltam a beleza da vida.

“Viver e não ter a vergonha de ser feliz!”...
Sim para a vida!

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Aborto, solução para quem?


O clima álacre e fraternal em que se processa a XXVIII Semana Espírita de Teófilo Otoni foi mantido em seu terceiro dia, motivados pelos acordes do violino e do violoncelo habilmente conduzidos pelas musicistas Alessandra M. Guedes e Carina Magna, respectivamente, abrindo os trabalhos da noite.
A valorização da Vida, que é a proposta reflexiva do evento à luz da Doutrina Espírita, trouxe neste terceiro dia o tema: Aborto, solução para quem?
A exposição ficou aos cuidados da confreira Juselma Maria Coelho, de Belo Horizonte, que apresentando fidelidade doutrinária, sem julgamentos e apresentando compreensão às faltas alheias, discorreu sobre os comprometimentos nocivos a que os indivíduos se vinculam em razão das ações diretas ou indiretas na prática do aborto.  
Em seu discurso lembrou que a cada dia a Ciência se desenvolve e aumenta o percentual de aceitação de que o início da vida humana ocorre desde o momento da concepção no ventre materno.
Valorizando a Vida, lembrou Maria, a mãe da Humanidade, que aceitou a missão de receber em seu ventre o Cristo, exemplo a ser seguido por todas as mães, aceitando como presente divino o ser que Deus permite gerar no ventre de cada uma destas.
Ao encerrar lembrou que todos nós podemos contribuir com a campanha de conscientização e valorização da Vida, orientando aqueles que ignoram as leis divinas e a sequência da vida espiritual pós o perecimento do corpo físico; orando pelos que esboçam tal plano; ter fé sempre e sobretudo, amar.
Fechando o evento, o grupo de cantores mirins do Centro Espírita Joseph Gleber, ofertou mais luz à noite esclarecedora, trazendo a música intitulada Nove meses, mostrando a vida a pulsar no ventre materno e a sinergia ali existente entre mãe e filho(s).

Respeitemos a Vida!

Nilton Maia - DCSE CEJG

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

A autodestruição pelas drogas

Este foi o tema do segundo dia da XVIII Semana Espírita de Teófilo Otoni, apresentado pelo confrade Evaldo Santana da cidade de Divinópolis/MG, seguindo a proposta de abordagem relacionada à campanha de valorização da vida aliada à comemoração dos 160 anos de Codificação da Doutrina Espírita.
A noite de luz se iniciou com uma belíssima apresentação do companheiro Leonardo de Deus, da cidade de Poté/MG, que brindou ao todos com duas composições de Bach tocadas ao violão.
O tema foi introduzido pela organização do evento com a questão 645 de O Livro dos Espíritos, que nos esclarece que muito embora o homem esteja mergulhado na atmosfera do vício, o mal não se lhe configura um arrastamento irresistível.
Seguem abaixo, de forma sintética, alguns tópicos tratados por Evaldo Santana durante a palestra:
Ø Falou sobre “vício e dependência”, enfatizando que todas as tendências podem ser transformadas.
Ø  Tratou dos “vícios e paixões”, trazendo a questão 908 de O Livro dos Espíritos, que define o limite em que as paixões deixam de ser boas ou más.
Ø  Mostrou a dependência química nos dias atuais, caracterizando-a como um mal endêmico, que está em todos os lugares e classes sociais.
Ø  Salientou que mais de 29 milhões de brasileiros são dependentes químicos, o que a torna também um problema de saúde pública.
Ø  Trouxe as causas desse mal as dividindo em: psicológicas, sociais, congênitas ou genéticas, esclarecendo todavia que cientificamente, não há uma resposta definitiva sobre a causa.
Ø  Falou sobre os aspectos comportamentais da dependência química na ótica espírita e a finalidade da reencarnação perante os vícios.
Ø  Indicou o livro “Juventude interrompida” que contém relatos de jovens que desencarnaram precocemente, vítimas de si mesmos, coletados pela Associação Médico Espírita.
Ø  Traçou o perfil psicológico do dependente químico, esclareceu o problema da sintonia e das influências apresentadas nas questões 459, 472 e 910 de O Livro dos Espíritos.
Ø  Enfatizou os princípios educativos do Espiritismo e sua contribuição para superação desse grave problema.
Ø  Analisou a recomendação evangélica de amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, concluindo com o versículo de Mateus no capítulo XI, versículo 28 que diz: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.”


Paralelamente à palestra na sede social do Automóvel Clube continua acontecendo a Semaninha que se estende até sexta-feira, dando oportunidade às crianças de serem evangelizadas.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Eutanásia, uma boa morte?

     
    Esse o tema do primeiro dia da XXVIII Semana Espírita de Teófilo Otoni que está ocorrendo na sede social do Automóvel Clube.
    O facilitador da noite, Cristalino Cézar Batista, iniciou sua fala com a questão 953 de O Livro dos Espíritos, onde Kardec questiona se diante de uma morte inevitável, seríamos culpados ao abreviar por alguns INSTANTES o sofrimento através da eutanásia. Cristalino discorreu sobre o tema, trazendo os conceitos de  Eutanásia, Ortotanásia e Distanásia, exemplificando com histórias retiradas da obra de André Luiz, contidas nos livros Nosso Lar e Obreiros da Vida Eterna, enfatizando sempre que somente Deus conhece o termo de nossas vidas.
     O evento acontece até o dia 30 de setembro e tem como tema central - "Doutrina Espírita: 160 anos despertando consciências e promovendo o espírito imortal".
    Dentro dessa temática ainda serão abordados temas como drogas, aborto e suicídio, culminando com uma abordagem da terapêutica espírita como recurso para a não-violência.
       
   Neste ano, o evento traz como novidade a Semaninha Espírita, que está ocorrendo no Centro Espírita Mansão da Luz,  e se destina a acolher as crianças durante o período das palestras com atividades dentro do tema central da Semana Espírita.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

A Independência do Brasil sob a visão espiritual


Humberto de Campos conta que apesar do movimento de emancipação percorrer todos os departamentos de atividades políticas da pátria, era no Rio de Janeiro que fervilhavam as ideias de liberdade e os espíritos desenvolviam suas ações junto de todos os indivíduos, preparando a fase final do trabalho da independência, através dos processos pacíficos.
Os patriotas viam no Príncipe D. Pedro I, a pessoa que deveria exercer o papel de libertador, mas este hesitava em optar pela decisão da separação definitiva, considerando as tradições e laços de família. Ordens rigorosas vieram de Portugal determinando o regresso de D. Pedro I, porém sob a assistência e estímulo da equipe do Espírito Ismael mentor espiritual do nosso país, no dia 9 de janeiro de 1822, o Príncipe completou a obra de emancipação política do Brasil, prometendo ao povo que aqui ficaria, contrariando as decisões da Corte de Lisboa.
Reagindo a essa decisão , Jorge de Avilez, comandante das tropas fiéis a Lisboa, ameaçou abrir luta com os brasileiros, ocupando o Morro do Castelo. Diante do ocorrido, o povo carioca incorporou-se às tropas brasileiras e se postou contra o inimigo. Nova intervenção do Espírito Ismael, e Avilez, sem um tiro, obedeceu à intimação de D. Pedro I e retirou-se com suas tropas.
Mais tarde, D. Pedro encontrava-se em viagem a São Paulo a fim de unificar o sentimento geral em favor da independência e comemorando o acontecimento, as entidades espirituais sob a direção do Espírito Ismael reuniam-se no Colégio de Piratininga, ouvindo deste que a independência já se encontrava definitivamente proclamada desde 1808, porém em virtude dos últimos acontecimentos e para não quebrar os costumes terrenos, foi escolhida uma data para assinalar essa liberdade.
Dirigindo-se ao Espírito Tiradentes, presente no conclave, comunicou-lhe que ele acompanharia o imperador em seu regresso ao Rio e ainda nas terras paulistas auxiliaria seu coração no grito de liberdade.
Às margens do Ipiranga, D. Pedro I sem suspeitar que era instrumento de um emissário espiritual que velava pela nossa pátria, deixou escapar o grito de “Independência ou Morte”.
Eis porque o dia 7 de setembro passou à nossa memória como o Dia da Pátria. Esse fato, despercebido da maioria dos estudiosos, representa a adesão intuitiva do povo aos elevados desígnios do mundo espiritual.



quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Novidade!

     
   A equipe de Estudos do Centro Espírita Joseph Gleber disponibilizou, aqui no blog, um banco de aulas para o ESDE - Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita.
     O ESDE é um programa de estudo metódico, contínuo e sério da Doutrina Espírita, a ser realizado em grupo privativo, fundamentado nas cinco obras básicas de Allan Kardec - O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese. Sua ação é complementar a outras realizadas pela instituição espírita, como o estudo das obras básicas e da mediunidade, o Estudo Aprofundado do Espiritismo, a Infância e Juventude, o atendimento fraterno, as ações de assistência e promoção social, constituindo-se em instrumento de preparação de trabalhadores para todas as áreas da casa.
  As aulas disponibilizadas estão em formato de apresentações do Power Point e seguem os roteiros de estudo estabelecidos pela FEB, podendo ser utilizadas por monitores ou mesmo estudantes do ESDE.