Mostrando postagens com marcador Efeméride. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Efeméride. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 12 de janeiro de 2024

Tópicos da mediunidade

 

Fortaleçamos o entendimento, conservando a confiança na Divina Bondade. Nenhuma razão para agravar problemas íntimos quando a mediunidade aparece. A mediunidade com Jesus requer firmeza e trabalho ativo de nossa colaboração na seara espírita.

Jesus está conosco e Nele nos cabe depositar toda a fé. Alegremos o coração; procuremos arejar os pensamentos e prossigamos adiante!

* * *

A mediunidade é condição espiritual, sempre com imenso nexo no passado da alma. É preciso nos mantenhamos valorosos e pacientes, no serviço gradativo de nossa transformação para o Bem. Ajudemo-nos a nós mesmos. Não esmoreçamos!

Ergue-se a casa, elemento a elemento. Seja qual for a dificuldade psíquica, não fujamos ao trabalho. O estudo ilumina, mas só a caridade sustenta.

Não nos sintamos cansados da luta. Sirvamos, e a mediunidade com expressivo conteúdo de provação, será para nós o caminho sublime para nosso campo de paz e luz.

* * *

Para que o nosso desenvolvimento mediúnico avance com o acerto necessário, não nos doa ao coração o imperativo da cooperação, em favor dos irmãos sofredores mais necessitados do ponto de vista moral. Isso é impositivo da caridade cristã a que não devemos fugir, na certeza de que amparando a eles, nossos amigos menos felizes, estaremos ajudando a nós mesmos. Fé e confiança!

* * *

Continuemos empenhando a confiança no Senhor da Vida e, o coração e a força à tarefa.

Pelo exercício salutar das faculdades mediúnicas, as nossas energias estarão recebendo precioso acréscimo de bênçãos.

Guardemos o coração tranquilo e valoroso! Prossigamos trabalhando mediunicamente com o entusiasmo habitual. Confiemos na Misericórdia Divina e esperemos sempre o melhor das mãos de Jesus!

* * *

A fidelidade às nossas tarefas espirituais, com o estudo e a caridade a nos apoiarem o esforço, é a nossa bênção de saúde e reequilíbrio completo.

Trabalhemos! O desdobramento de nossas forças mediúnicas com Jesus merecerá sempre a melhor atenção de nossos Amigos Espirituais.

* * *

Confiança e bom ânimo! Prossigamos em nossas abençoadas tarefas mediúnicas e, através do serviço aos nossos irmãos encarnados e desencarnados, novas energias nos felicitarão o caminho.

* * *

Sempre que trabalhemos, guardando a fé viva, na certeza de que Deus, na bênção do tempo, auxiliar-nos-á na solução de todos os problemas e lutas, as nossas tarefas mediúnicas prosseguirão amparadas com segurança.

* * *

Com nossas forças mediúnicas canalizadas no trabalho edificante de que temos nós necessidade, com a bênção do Alto, nos surpreenderemos mais robustos e serenos, equilibrados e tranquilos. Prossigamos! Não nos faltará o apoio dos Instrutores da Vida Maior. Socorrer os desencarnados sofredores é socorrer a nós mesmos! Continuemos tocados de bom ânimo, na certeza de que o Senhor nos abençoará sempre e sempre.

* * *

Prossigamos em nossas tarefas mediúnicas de vez que as bênçãos de hoje, na Seara do Bem, ser-nos-ão, amanhã, generoso celeiro de paz e luz!

 

Bezerra de Menezes / Chico Xavier – Livro: Apelos cristãos



sexta-feira, 5 de janeiro de 2024

A Gênese

 


Introdução

À primeira edição publicada em janeiro de 1868 

Esta nova obra é mais um passo avante nas consequências e aplicações do Espiritismo. Assim como seu título indica, ela tem por objeto o estudo de pontos, até hoje, diversamente interpretados e comentados: A Gênese, os milagres e as predições, em suas relações com as novas leis que decorrem da observação dos fenômenos espíritas.

Dois elementos, ou, se o quiserem, duas forças regem o Universo: o elemento espiritual e o elemento material; da ação simultânea desses dois princípios nascem os fenômenos especiais, que são naturalmente inexplicáveis se fizermos abstração de um dos dois, absolutamente como a formação da água seria inexplicável se fizéssemos abstração de um dos seus dois elementos constituintes: o oxigênio e o hidrogênio.

O Espiritismo, demonstrando a existência do mundo espiritual e suas relações com o mundo material, dá a chave de uma imensidade de fenômenos incompreendidos e, por isso mesmo, considerados como inadmissíveis por uma certa classe de pensadores. Esses fatos são abundantes nas Escrituras, e é por não conhecerem a lei que os rege, que os comentadores dos dois campos opostos tornam sem cessar ao mesmo círculo de ideias, uns fazendo abstração dos dados positivos da ciência e os outros do princípio espiritual, não podendo chegar a uma solução racional.

Essa solução está na ação recíproca do Espírito e da matéria. Ela tira, é verdade, à maioria desses fatos seu caráter sobrenatural; mas qual é melhor: admiti-los como resultado das leis da Natureza, ou lhes rejeitar tudo de fato? Sua rejeição absoluta resulta [na rejeição] daquela base mesma do edifício, enquanto que sua admissão a esse título, não suprimindo senão os acessórios, deixa essa base intacta. É por isso que o Espiritismo conduz tanta gente à crença em verdades que elas antes consideravam como utopias.

Esta obra é, pois, como já o dissemos, um complemento das aplicações do Espiritismo, de um ponto de vista especial. Os materiais se achavam prontos, ou, pelo menos, elaborados desde longo tempo; mas, ainda não chegara o momento de serem publicados. Era necessário, primeiramente, que as ideias destinadas a lhes servirem de base houvessem atingido a maturidade e, além disso, levassem em conta a oportunidade das circunstâncias. O Espiritismo não tem mistérios, nem teorias secretas; tudo deve ser dito em plena luz do dia, a fim de que todos o possam julgar com conhecimento de causa; cada coisa, entretanto, tem que vir a seu tempo, para vir seguramente. Uma solução dada à ligeira, antes da elucidação completa da questão, seria mais uma causa de atraso que de avanço. Na de que aqui se trata, a importância do assunto nos impunha o dever de evitar qualquer precipitação.

Antes de entrarmos em matéria, pareceu-nos necessário definir claramente os papéis respectivos dos Espíritos e dos homens na elaboração da nova doutrina; essas considerações preliminares, que a escoimam de toda ideia de misticismo, fazem objeto do primeiro capítulo, intitulado: Caracteres da revelação espírita. Pedimos séria atenção para esse ponto, porque, de certo modo, aí está o nó da questão.

Sem embargo da parte que incumbe à atividade humana na elaboração desta doutrina, a iniciativa [da obra] pertence aos Espíritos, não constitui, porém, a opinião pessoal de nenhum deles; ela é, e não pode deixar de ser, a resultante do seu ensino coletivo e concordante. Somente nesta condição, pode-se dizer a doutrina dos Espíritos, doutro modo, não seria mais do que a doutrina de um Espírito, e ela não teria senão o valor de uma opinião pessoal.

Generalidade e concordância no ensino, tal é o caráter essencial da doutrina, a condição mesma da sua existência, donde resulta que todo princípio que ainda não haja recebido a consagração do controle da generalidade não pode ser considerado como parte integrante dessa mesma doutrina, mas como uma simples opinião isolada, da qual o Espiritismo não pode assumir a responsabilidade.

Essa coletividade concordante da opinião dos Espíritos, passada; ao demais, pelo critério da lógica, é o que faz a força da Doutrina Espírita e lhe assegura a perpetuidade. Para que ela mudasse, seria necessário que a universalidade dos Espíritos mudasse de opinião e que eles viessem um dia dizer o contrário do que eles disseram; pois que ela tem sua fonte [de origem] no ensino dos Espíritos, para que ela sucumbisse, seria necessário que os Espíritos deixassem de existir. É também o que fará que sempre prevaleça sobre os sistemas pessoais, que não têm, como ela, suas raízes por toda parte. (...)





sexta-feira, 22 de dezembro de 2023

Natal simbólico

 


Harmonias cariciosas atravessavam a paisagem, quando o lúcido mensageiro continuou:

— Cada Espírito é um mundo onde o Cristo deve nascer…

Fora loucura esperar a reforma do mundo, sem o homem reformado. Jamais conheceremos povos cristãos, sem edificarmos a alma cristã…

Eis por que o Natal do Senhor se reveste de profunda importância para cada um de nós em particular.

Temos conosco oceanos de bênçãos divinas, maravilhosos continentes de possibilidades, florestas de sentimentos por educar, desertos de ignorância por corrigir, inumeráveis tribos de pensamentos que nos povoam a infinita extensão do mundo interior. De quando em quando, tempestades renovadoras varrem-nos o íntimo, furacões implacáveis atingem nossos ídolos mentirosos.

Quantas vezes, o interesse egoístico foi o nosso perverso inspirador?

Examinando a movimentação de nossas ideias próprias, verificamos que todo princípio nobre serviu de precursor ao conhecimento inicial do Cristo.

Verificou-se a vinda de Jesus numa época de recenseamento.

Alcançamos a transformação essencial justamente em fase de contas espirituais com a nossa própria consciência, seja pela dor ou pela madureza de raciocínio.

Não havia lugar para o Senhor.

Nunca possuímos espaço mental para a inspiração divina, absorvidos de ansiedades do coração ou limitados pela ignorância.

A única estalagem ao Hóspede Sublime foi a Manjedoura.

Não oferecemos ao pensamento evangélico senão algumas palhas misérrimas de nossa boa vontade, no lugar mais escuro de nossa mente.

Surge o Infante Celestial dentro da noite.

Quase sempre, não sentimos a Bondade do Senhor senão no ápice das sombras de nossas inquietações e falências.

A estrela prodigiosa rompe as trevas no grande silêncio.

Quando o gérmen do Cristo desponta em nossas almas, a estrela da divina esperança desafia nossas trevas interiores, obscurecendo o passado, clareando o presente e indicando o porvir.

Animais em bando são as primeiras visitas ao Enviado Celeste.

Na soledade de nossa transformação moral, em face da alvorada nova, os sentimentos animalizados de nosso ser são os primeiros a defrontar o ideal do Mestre.

Chegam pastores que se envolvem na intensa luz dos anjos que velam o berço divino.

Nossos pensamentos mais simples e mais puros aproximam-se da ideia nova, contagiando-se da claridade sublime, oriunda dos gênios superiores que nos presidem aos destinos e que se acercam de nós, afugentando a incompreensão e o temor.

Cantam milícias celestiais.

No instante de nossa renovação em Cristo, velhos companheiros nossos, já redimidos, exultam de contentamento na Esfera superior, dando glória a Deus e bendizendo os Espíritos de boa vontade.

Divulgam os pastores a notícia maravilhosa.

Nossos pensamentos, felicitados pelo impulso criador de Jesus, comunicam-se entre si, organizando-se para a vida nova.

Surge a visita inesperada dos magos.

Sentindo-nos a modificação, o mundo observa-nos de modo especial.

Os servos fiéis, como Simeão, expressam grande júbilo, mas revelam apreensões justas, declarando que o Menino surgira para a queda e elevação de muitos em Israel.

Acalentamos o pensamento renovador, no recesso d’alma, para a destruição de nossos ídolos de barro e desenvolvimento dos germens de espiritualidade superior.

Ferido na vaidade e na ambição, Herodes determina a morte do Pequenino Emissário.

A ignorância que nos governa, desde muitos milênios, trabalha contra a ideia redentora, movimentando todas as possibilidades ao seu alcance.

Conserva-se Jesus na casa simples de Nazaré.

Nunca poderemos fornecer testemunho à Humanidade, antes de fazê-lo junto aos nossos, elevando o espírito do grupo a que Deus nos conduziu.

Trabalha o Pequeno Embaixador numa carpintaria.

Em toda realização superior, não poderemos desdenhar o esforço próprio.

Mais tarde, o Celeste Menino surpreende os velhos doutores.

O pensamento cristão entra em choque, desde cedo, com todas as nossas antigas convenções relativas à riqueza e à pobreza, ao prazer e ao sofrimento, à obediência e à mordomia, à filosofia e à instrução, à fé e à ciência.

Trava-se, então, dentro de nosso mundo individual, a grande batalha.

A essa altura, o mensageiro fez longa pausa.

Flores de luz choviam de mais alto, como alegrias do Natal, banhando-nos a fronte. Os demais companheiros e eu aguardávamos, ansiosos, a continuação da mensagem sublime; entretanto, o missionário generoso sorriu paternalmente e rematou:

— Aqui termino minhas humildes lembranças do Natal simbólico. Segundo observais, o Evangelho de Nosso Senhor não é livro para os museus, mas roteiro palpitante da vida.


Irmão X (Humberto de Campos)

Livro: Pontos e contos




sexta-feira, 8 de dezembro de 2023

A visão dos Espíritos sobre o Esperanto

 


Francisco Valdomiro Lorenz, admirável linguista e poliglota, espírita e esperantista, após o seu desencarne, pela psicografia de Francisco Cândido Xavier, trouxe-nos importantes informações sobre o ascendente espiritual do Esperanto, em mensagens contidas no livro Esperanto como Revelação – Esperanto kiel Revelacio, editado pela IDE.

Em suas mensagens Lorenz revela os preparativos e o trabalho de uma equipe de elevados Espíritos, ligados aos cinco continentes e coordenados por um Espírito que ele denomina um gênio da fraternidade humana, indicado por Jesus.

Concluído o projeto, na espiritualidade, esse elevado Espírito reencarna na cidade de Bialistoque, província de Grodno, na Polônia, em 15 de dezembro de 1859 e recebe o nome de Lázaro Luís Zamenhof.

Pela própria intuição e, naturalmente, com o auxílio dos amigos espirituais, ele reconstitui o idioma da fraternidade e, como idioma internacional, publica-o em 26 de julho de 1887, com o pseudônimo de Dr. Esperanto.

O trabalho mais visível da Espiritualidade não para por aí.

No Brasil, o Esperanto recebe grande apoio da Federação Espírita Brasileira, e um dos seus diretores, Ismael Gomes Braga, torna-se vigoroso pilar na consolidação e divulgação do Esperanto em terras brasileiras. Como gramático, escritor, tradutor, produz obras reconhecidas pelos esperantistas de todos os continentes.

Em periódicos contatos com o admirável e inesquecível médium Francisco Cândido Xavier, ele tem oportunidade de receber mensagens de diferentes Espíritos esperantistas, animando-o a prosseguir na implantação desse projeto de Jesus para a fraterna comunicação entre as pessoas e as nações. Transcrevemos algumas.

Emmanuel: “... Em tuas lutas, meu irmão, não te sinta abandonado. Devotados samideanos (co-idealistas) do Além colaboram contigo em teus esforços.

A missão do Esperanto é grandiosa e profunda junto à coletividade humana.” (Revista Reformador de 1939.)

A seguir, em 19-01-1940, novamente Emmanuel vem animar e informar Ismael: “... o Esperanto é uma força que atua para união e harmonia, com o facilitar que se estabeleça a permuta de valores do pensamento, em forma universalista.

... o Esperanto é lição de fraternidade. Aprendamo-la..., com muita propriedade digo, “aprendamo-la”, porque somos companheiros vossos que, havendo conquistado a expressão universal do pensamento, vos desejamos o mesmo bem espiritual, de modo a organizarmos na Terra os melhores movimentos de unificação”. (Reformador de fevereiro de 1940.)

Novamente, pela mediunidade ímpar de F. C. Xavier, o Espírito João Ernesto traz o estímulo: “... Nós, os companheiros esperantistas e espíritas, prosseguimos na mesma luta abençoada, incentivando a fraternidade humana e a redenção da humanidade.

Quanto estiver em tuas mãos e possibilidades, distribui o entusiasmo, a esperança e a alegria no grande campo do Esperanto e do Espiritismo no Brasil”. (Reformador de julho de 1946.)

O dedicado espírita e esperantista José Machado Tosta, pela psicografia de F. C. Xavier, assinala: “... Muitas vezes, embora não me surpreendas a colaboração indireta, demoro-me contigo, trabalhando na Causa que nos identifica.

... Espiritismo e Esperanto, nossos dois grandes movimentos, são forças vivas e atuantes da elevação e da confraternização. Continuemos a prestar-lhes nosso concurso fiel”. (Reformador de janeiro de 1947.)

Sentimos, assim, o irretorquível aval que a Espiritualidade Superior dá para a divulgação do Esperanto e do Espiritismo.

Aylton Paiva

Fonte: O Consolador – Revista Semanal de Divulgação Espírita 



Aprenda Esperanto:

Kurso de Esperanto - https://kurso.com.br/index.php

Lernu - https://lernu.net/

Esperanto em 12 dias - https://esperanto12.net/pt/

Programa Mia Amiko - https://pma.esperanto.org.br/


sexta-feira, 27 de outubro de 2023

Dia dos mortos

 


Você já parou para pensar no sentimento que move as criaturas diante da morte de um ser querido?

Se você nunca teve essa experiência, dificilmente conseguirá pensar devidamente.

É que a morte ainda no Ocidente é uma grande hidra. As criaturas têm um medo terrível da morte e do morrer.

Muito pouca gente se dá conta de que a morte é o reverso da medalha da vida. Para que nós tenhamos vida, há necessidade de que haja morte.

No planeta material em que nós nos encontramos, todas as vezes em que nós falamos do fenômeno da vida, só o falamos porque esse fenômeno está atrelado ao da morte. Para que alguma coisa viva, outra coisa terá que morrer. Para que a planta viva, a semente morre. Para que o pão apareça, temos que triturar o grão.

Dessa maneira, para que nós, seres humanos, vivamos, temos que matar tantas plantas para nos alimentar, alguns animais que alimentam a nossa mesa. Temos que digerir, que deglutir uma quantidade enorme de partículas de vida que estão pelo espaço, pelo ar que respiramos. Temos que gastar uma quantidade muito grande de oxigênio para podermos sobreviver.

A morte significa muito pouco no conjunto da vida. Afinal de contas, quando nós pensamos nesse fenômeno do morrer e aprendemos que a morte é consequência do desgaste dos órgãos, nos apercebemos de que começamos a morrer no momento em que nascemos, quando somos dados à luz e temos que respirar com os nossos próprios pulmões. Aí começa o fenômeno da queima, do desgaste do órgão, da morte. Quando nós pensamos nisso, então, temos que ver que a morte é um fenômeno hiper natural.

Tudo que nasce morre, tudo que é matéria no mundo se transforma, e uma das formas de transformação nós chamamos de morte.

Um dos modos pelos quais as coisas se transformam é a morte. Morre a montanha de minério, para que surja a montanha de barro, por exemplo. Morre a ostra para que nasça a pérola. E dessa forma, nós verificamos sempre essa dualidade, vida e morte, esse claro-escuro da vida e da morte que nos acompanha.

Então, valeria a pena pensarmos, nesse dia em que as nossas sociedades ocidentais homenageiam os seus mortos.

Chamamos Dia dos Mortos, chamamos Dia de Finados, não importa, o que importa é que dedicamos um dia para prestar homenagem aos nossos antepassados, aos nossos amigos, aos nossos afetos, aos amores nossos que já demandaram o Mais Além, que já cruzaram essa aduana de cinzas da imortalidade.

E, no Dia de Finados encontramos tanta gente verdadeiramente mobilizada por sentimentos de fraternidade, de ternura, de amor, que vão aos cemitérios, que vão aos Campos Santos, na busca de homenagear aos seus seres queridos. Merece todo respeito essa iniciativa.

Nada obstante percebemos quanto que vamos ficando escravizados dessa situação, imaginando, supondo, pelos aprendizados que fizemos das nossas religiões, ou pelas coisas que ouvimos falar aqui e ali, que os nossos mortos estão lá. Chegamos a ouvir as pessoas dizerem: Eu vou visitar a cova do meu pai. Eu vou visitar a sepultura de minha mãe. Como se ali estivesse o seu pai, como se ali a sua mãe estivesse.

Nada obstante, leiamos inscrições tumulares do tipo Aqui jaz Fulano de Tal, mas não é verdade. O Fulano de Tal que nós queremos homenagear não jaz ali na sepultura. Ali estão seus despojos, ali estão seus restos mortais. É como se nós tirássemos uma roupa imprestável e atirássemos essa roupa na lixeira. Esquecemos dela, deixamos que o tempo cumpra o seu papel. Nenhum de nós teria a ideia, de todos os dias, ir lá visitar a roupa velha e imprestável, atirada no monturo. Então, nada obstante esse respeito com que nós, cristãos, encaremos essa relação com os mortos, com o morrer, por mais que nós estejamos com esse intuito de homenagear aos nossos seres queridos, será muito importante criarmos o hábito de pensar neles vivos.

Ali na cova, na sepultura, não jazem nossos entes queridos. Eles jazem, eles vivem, eles vibram, na nossa intimidade, nos nossos pensamentos. Eles se movem no Mundo dos Espíritos.

Ao pensar nos nossos mortos, cabe ter essa certeza de que os nossos mortos vivem, eles não estão jazendo nos sepulcros. Imaginemos que coisa grotesca será imaginar nossos seres amados enterrados na sepultura com os seus despojos! Vale a pena pensar numa gaiola vazia, donde o pássaro já se foi. Vale a pena pensar nisso!

Então, o nosso corpo físico, durante um tempo mais ou menos largo, serve-nos de morada, serve-nos como uma gaiola que, ao mesmo tempo que nos ajuda a aprender, a crescer, também é um instrumento através do qual resgatamos aquilo que devemos em face da vida, coloquemos em ordem a nossa consciência com as Leis Divinas.

Logo, o Dia de Finados, o Dia dos Mortos deveria ser um dia sim, de homenagem aos nossos seres queridos, mas de outra maneira. Aprendermos a fazer um levantamento de como se acham nossas disposições na vida, se estamos vivendo de acordo com os ensinamentos de nossa mãe, de nosso pai, se os estamos homenageando, glorificando seus nomes, pelo tipo de criatura que sejamos: dignas, nobres, amigas, fraternas, operosas, dedicadas ao bem. Afinal de contas, de que outra maneira, melhor nós poderíamos homenagear os nossos mortos?

Nem sempre levando flores para enfeitar os sepulcros onde se acham seus despojos. Aqueles recursos das flores, quantas vezes poderiam ser transformados, em nome dos nossos mortos, em leite para uma criança pobre, em pães para o necessitado, em remédios para um doente que não os pode comprar, em cadernos para que alguma criança aprenda.

Nós podemos converter aquela quantidade enorme de cera que compramos para queimar nos cemitérios, que não vai levar a lugar algum os nossos mortos, que não precisam de cera queimada, converter isso em alimento, em roupa, em agasalho, em material escolar, em medicação, em acompanhamento, em homenagem aos nossos mortos. Quando presenteássemos uma criança com o kit de material escolar, nós poderíamos dizer a ela, caso ela entendesse, ou aos seus pais: Faça uma prece por Fulano de Tal, que é meu filho, que é meu pai, que é minha mãe, que é meu irmão, ou meu amigo.

Nós teríamos formas tão mais agradáveis, tão mais felizes, de homenagear os nossos mortos. E cantar, e brincar, e nos alegrar, como eles gostavam que nós fizéssemos. No Além, eles continuam gostando.

Quantos filhos que se foram para o Mais Além e suas mães começam a morrer aqui na Terra. Não se tratam mais, não se cuidam mais, não os respeitam mais. Se seus filhos gostavam de vê-las bem vestidas, bem cuidadas, alegres, joviais, em homenagem a eles, no Dia dos Mortos e em todos os dias da vida, continuem assim, bem cuidadas, dispostas, alegres. O que não nos impede a lágrima de saudade e nunca a lágrima de revolta.

Se os nossos filhos gostavam de saber que nós estamos envolvidos em atividade social, em alguma atividade do bem, como voluntários, servindo numa escola, servindo num velhanato, num hospital, vamos continuar a fazer isso em homenagem a eles, em nome deles que de onde estiverem, nos aplaudirão, nos incentivarão.

Se tivemos nossos entes queridos desencarnados em situações drásticas, pela drogadição, pelo vírus do HIV ou pelo suicídio, mais motivos temos de rogar a Deus por eles, de homenageá-los, fazendo toda a cota de bem que nos for possível, em honra deles. Não tenhamos qualquer mágoa deles. Não imaginemos que eles estejam perdidos para sempre. Nunca suponhamos que Deus os vá castigar por sua fragilidade, porque Deus não é um juiz que sentencia. Deus é um Pai que ama, e certamente, se nós estamos fazendo as coisas boas para homenagear no Dia de Finados, ou ao longo dos dias do ano, os nossos amores que foram para o Além, por vias naturais ou por alguma enfermidade, o que é que não faremos para homenagear àqueles que saíram de maneira tão triste, tão lastimável da convivência com o corpo físico.

Por isso é que a nossa oração por eles deverá partir do nosso coração, do mais íntimo do nosso ser, pensando em Deus como o Pai comum de todos nós, mas nos colocando diante da vida de maneira muito operosa, nos tornando pessoas úteis, a fim de que o Dia de Finados transcorra para nós como mais um dia em que homenageamos os nossos seres queridos que demandaram o Mais Além, na vibração, na torcida, fazendo os votos para que os nossos amores, que já se transformaram em estrelas, sejam felizes nessas dimensões do Invisível, junto a Esse amor  incomensurável de nosso Pai Celeste.

 

José Raul Teixeira

Transcrição do Programa Vida e Valores – Dia dos Mortos – Canal FEP



sexta-feira, 20 de outubro de 2023

Meimei

 


Seu nome de batismo, aqui na Terra, foi IRMA CASTRO. Nasceu a 22 de outubro de 1922, em Mateus Leme (Minas Gerais). Aos 2 anos de idade sua família transferiu-se para Itaúna, MG. Constava de pai, mãe e 4 irmãos: Ruth (autora desta biografia), Carmen, Alaíde e Danilo. Os pais eram Adolfo Castro e Mariana Castro.

Com 5 anos ficou órfã de pai. Meimei foi desde criança diferente de todos pela sua beleza física e inteligência invulgar. Era alegre, comunicativa, espirituosa, espontânea. O convívio com ela, em família, foi para todos uma dádiva do Céu.

Cursou com facilidade o curso primário, matriculando-se, depois na Escola Normal de Itaúna, porém, a moléstia que sempre a perseguia desde pequena — nefrite — manifestou-se mais uma vez quando cursava com brilhantismo o 2.º ano Normal. Sendo a primeira aluna da classe, teve que abandonar os estudos. Mas, muito inteligente e ávida de conhecimentos, foi apurando sua cultura através da boa leitura, fonte de burilamento do seu espírito.

Onde quer que aparecesse era alvo de admiração de todos. Irradiava beleza e encantamento, atraindo a atenção de quem a conhecesse. Ela, no entanto, modesta, não se orgulhava dos dotes que Deus lhe dera.

Profundamente caridosa, aproximava-se dos humildes com a esmola que podia oferecer ou uma palavra de carinho e estímulo. Pura, no seu modo simples de ser e proceder não era dada a conquistas próprias da sua idade, apesar de ser extremamente bela.

Pertencia à digna sociedade de Itaúna. Algum tempo depois, transferiu-se para Belo Horizonte, em companhia de uma das irmãs, Alaíde, a fim de arranjar colocação (trabalho).

Estava num período bom de saúde, pois a moléstia de que era portadora ia e vinha, dando-lhe até, às vezes, a esperança de que havia se curado.

Foi nessa época que conheceu Arnaldo Rocha com quem se casou aos 22 janeiros de idade. Viviam um lindo sonho de amor que durou 2 anos apenas, quando adoeceu novamente.

Esteve acamada três meses, vítima da pertinaz doença — nefrite crônica. Apesar de todos os esforços e desvelos do esposo, cercada de médicos, veio a falecer no dia 1.º de outubro de 1946, em Belo Horizonte.

Logo depois, seu Espírito já esclarecido começou a manifestar-se através de mensagens psicografadas por Francisco Cândido Xavier, e prossegue nessa linda missão de esclarecimento e consolo, em páginas organizadas em várias obras mediúnicas, que têm se espalhado por todo o Brasil e até além das nossas fronteiras.

Seu nome “MEIMEI” (expressão chinesa que significa “amor puro”) agora tão venerado como um “Espírito de Luz”; foi lhe dado em vida, carinhosamente, pelo esposo Arnaldo Rocha.

 

Professora Ruth de Castro Mattos. (Irmã de Meimei.)

Belo Horizonte — 10 de maio de 1981.

(Biografia extraída do livro Palavras do Coração editado pela Cultura Espírita União.)



quinta-feira, 5 de outubro de 2023

Auto de fé em Barcelona. Apreensão dos livros.

 


21 de setembro de 1861. — (Em minha casa; médium: Sr. d’A…)

 

A pedido do Sr. Lachâtre, então residente em Barcelona, eu lhe enviara certa quantidade de O Livro dos Espíritos, de O Livro dos Médiuns, das coleções da Revista Espírita, além de diversas obras e brochuras espíritas perfazendo um total de cerca de 300 volumes. A expedição da encomenda fora regularmente feita pelo seu correspondente em Paris, num caixão que continha outras mercadorias e sem a menor infração da legalidade. À chegada dos livros, fizeram que o destinatário pagasse os direitos de entrada, mas, antes de os entregarem, houve que ser entregue uma relação das obras ao bispo, pois, naquele país, a polícia de livraria competia à autoridade eclesiástica. O bispo se achava então em Madri. Ao regressar, tomando conhecimento da relação dos livros, ordenou que eles fossem apreendidos e queimados em praça pública pela mão do carrasco. A execução da sentença foi marcada para 9 de outubro de 1861.

Se se houvesse tentado introduzir aquelas obras como contrabando, a autoridade espanhola teria o direito de dispor delas à sua vontade; mas, desde que absolutamente não havia fraude, nem surpresa, como o provava o pagamento espontâneo dos direitos, fora de rigorosa justiça que se ordenasse a reexportação dos volumes, uma vez que não convinha se lhes admitisse a entrada. Ficaram, porém, sem resultado as reclamações apresentadas por intermédio do Cônsul francês em Barcelona. O Sr. Lachâtre me perguntou se valeria a pena recorrer à autoridade superior. Opinei por que se deixasse consumar o ato arbitrário; entendi, porém, acertado ouvir a opinião do meu guia espiritual.

 

Pergunta. (à Verdade) — Não ignoras, sem dúvida, o que acaba de passar-se em Barcelona, com algumas obras espíritas. Quererás ter a bondade de dizer-me se convirá prosseguir na reclamação para restituição delas?

Resposta. — Por direito, podes reclamá-las e conseguirias que te fossem restituídas, se te dirigisses ao Ministro de Estrangeiros da França. Mas, ao meu parecer, desse auto de fé resultará maior bem do que o que adviria da leitura de alguns volumes. A perda material nada é, a par da repercussão que semelhante fato produzirá em favor da Doutrina. Deves compreender quanto uma perseguição tão ridícula, quanto atrasada, poderá fazer a bem do progresso do Espiritismo na Espanha. A queima dos livros determinará uma grande expansão das ideias espíritas e uma procura febricitante das obras dessa doutrina. As ideias se disseminarão lá com maior rapidez e as obras serão procuradas com maior avidez, desde que as tenham queimado. Tudo vai bem.

Obras póstumas — 2ª Parte.

***


"Assistiram ao Auto de Fé: um sacerdote com os hábitos sacerdotais, empunhando a cruz numa mão e uma tocha na outra; um escrivão encarregado de redigir a ata do Auto de Fé; um ajudante do escrivão; um empregado superior da administração das alfândegas; três serventes da alfândega, encarregados de alimentar o fogo; um agente da alfândega representando o proprietário das obras condenadas pelo bispo.”

"Uma multidão incalculável enchia as calçadas e cobria a imensa esplanada onde se erguia a fogueira. Quando o fogo consumiu os trezentos volumes ou brochuras espíritas, o sacerdote e seus ajudantes se retiraram, cobertos pelas vaias e maldições de numerosos assistentes, que gritavam: Abaixo a Inquisição! Em seguida, várias pessoas se aproximaram da fogueira e recolheram as suas cinzas."

Revista Espírita - nov. de 1861: 'Resquícios da Idade Média'

 

***

Na Revista Espírita daquele mesmo mês, Kardec publicou duas comunicações espirituais, dentre tantas, recebidas na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas; a primeira foi assinada pelo Espírito Dollet, que havia sido um livreiro do século XVI:

 

"O amor da verdade deve sempre fazer-se ouvir: ela rompe o véu e brilha ao mesmo tempo por toda parte. O Espiritismo tornou-se conhecido de todos; logo será julgado e posto em prática. Quanto mais perseguições houver, tanto mais depressa esta sublime doutrina alcançará o apogeu. Seus mais cruéis inimigos, os inimigos do Cristo e do progresso, atuam de maneira que ninguém possa ignorar a permissão de Deus, dada àqueles que deixaram esta Terra de exílio, de voltarem aos que amaram. Ficai certos: as fogueiras apagar-se-ão por si mesmas; e se os livros são lançados ao fogo, o pensamento imortal lhes sobrevive."

Dollet

 

***

“Graças a esse zelo imprudente, todo o mundo na Espanha vai ouvir falar do Espiritismo e quererá saber o que é ele; é tudo quanto desejamos. Podem queimar-se livros, mas não se queimam ideias; as chamas das fogueiras as superexcitam, em vez de abafar. Aliás, as ideias estão no ar, e não há Pireneus bastante altos para as deter. Quando uma ideia é grande e generosa encontra milhares de pulmões prestes a aspirá-la.”

 

Allan Kardec - Revista Espírita, setembro de 1864 - “O novo bispo de Barcelona”

 

***

Referências: Obras póstumas, Revista Espírita nov/1861, cartilha Auto de fé de Barcelona (UEM)


quinta-feira, 28 de setembro de 2023

Lembrando Allan Kardec

 


Depois de se dirigir aos numerosos missionários da Ciência e da Filosofia, destinados à renovação do pensamento do mundo no século XIX, o Mestre aproximou-se do abnegado João Huss e falou, generosamente:

— Não serás portador de invenções novas, não te deterás no problema de comodidade material à civilização, nem receberás a mordomia do dinheiro ou da autoridade temporal, mas deponho-te nas mãos a tarefa sublime de levantar corações e consciências.

A assembleia de orientadores das atividades terrestres estava comovida. E ao passo que o antigo campeão da verdade e do bem se sentia alarmado de santas comoções, Jesus continuava:

— Preparam-se os círculos da vida planetária a grandes transformações nos domínios do pensamento. Imenso número de trabalhadores no mundo, desprezando o sentido evolucionário da vida, crê na revolução e nos seus princípios destruidores, organizando-lhe movimentos homicidas. Em breve, não obstante nossa assistência desvelada, que neutralizará os desastres maiores, a miséria e o morticínio se levantarão no seio de coletividades invigilantes. A tirania campeará na Terra, em nome da liberdade, cabeças rolarão nas praças públicas em nome da paz, como se o direito e a independência fossem frutos da opressão e da morte. Alguns condutores do pensamento, desvairados de personalismo destruidor, convertem a época de transição do orbe em turbilhão revolucionário, envenenando o espírito dos povos. O sacerdócio organizado em bases econômicas não pode impedir a catástrofe. A Filosofia e a Ciência intoxicaram as próprias fontes de ação e conhecimento!… É indispensável estabelecer providências que amparem a fé, preservando os tesouros religiosos da criatura. Confio-te a sublime tarefa de reacender as lâmpadas da esperança no coração da humanidade. O Evangelho do Amor permanece eclipsado no jogo de ambições desmedidas dos homens viciosos!… Vai, meu amigo. Abrirás novos caminhos à sagrada aspiração das almas, descerrando a pesada cortina de sombras que vem absorvendo a mente humana. Na restauração da verdade, no entanto, não esperes os louros do mundo, nem a compreensão de teus contemporâneos.

Meus enviados não nascem na Terra para serem servidos, mas por atenderem às necessidades das criaturas. Não recebem palmas e homenagens, facilidades e vantagens terrestres, contudo, minha paz os fortalece e levanta-os, cada dia. Muitas vezes, não conhecem senão a dificuldade, o obstáculo, o infortúnio, e não encontram outro refúgio além do deserto. É preciso, porém, erigir o santuário da fé e caminhar sem repouso, apesar de perseguições, pedradas, cruzes e lágrimas!…

Ante a emoção dos trabalhadores do progresso cultural do orbe terrestre, o abnegado João Huss recebeu a elevada missão que lhe era conferida, revelando a nobreza do servo fiel, entre júbilos de reconhecimento.

Daí a algum tempo, no albor do século XIX, nascia Allan Kardec em Lyon, por trazer a divina mensagem.

Espírito devotado, jamais olvidou o compromisso sublime. Não encontrou escolas de preparação espiritual, mas nunca menosprezou o manancial de recursos que trazia em si mesmo. E como se quisera demonstrar que as fontes do profetismo devem manar de todas as regiões da vida para sustentáculo e iluminação do Espírito eterno, embora no quadro dos grandes homens do pensamento, estimou desferir os primeiros voos de sua missão divina na zona comum onde permanece a generalidade das criaturas. Consoante a previsão do Cristo, a Revolução Francesa preparara com sangue o império das guerras napoleônicas.

Enquanto os operários da cultura moderna lançavam novas bases ao edifício do progresso mundial, o grande missionário, sem qualquer preocupação de recompensa ou exibicionismo, dá cumprimento à tarefa sublime. E foi assim que o século XIX, que recebeu a navegação a vapor, a locomotiva, a eletrotipia, o telégrafo, o telefone, a fotografia, o cabo submarino, a anestesia, a turbina a vapor, o fonógrafo, a máquina de escrever, a luz elétrica, o sismógrafo, a linotipo, o radium, o cinematógrafo e o automóvel, tornou-se receptor da Divina Luz da revivescência do Evangelho.

O discípulo dedicado rasgou os horizontes estreitos do ceticismo e o Plano invisível encontrou novo canal a fim de projetar-se no mundo, atenuando-lhe as sombras densas e renovando as bases da fé.

Alguns dos companheiros de luta espiritual, embora em seguida às hostilidades do meio, recebiam aplausos do mundo e proteção de governos prestigiosos, mas o emissário de Jesus, no deserto das grandes cidades, trabalhava em silêncio, suportando calúnias e zombarias, vencendo dificuldades e incompreensões.

Ao fim da laboriosa tarefa, o trabalhador fiel triunfara.

Em breve, a Doutrina Consoladora dos Espíritos iluminava corações e consciências, nos mais diversos pontos do globo.

É que Allan Kardec, se viera dos Círculos mais elevados dos processos educativos do mundo, não esquecera a necessidade de sabedoria espiritual. Discípulo eminente de professores consagrados, como Pestalozzi, não esqueceu a ascendência do Cristo. Trabalhador no serviço da redenção, compreendeu que não viera à Terra por atender a caprichos individuais e sim aos poderes superiores da vida.

 Sua exemplificação é um programa e um símbolo. Conquistando a auréola dos missionários vitoriosos, não se incorporou à galeria dos grandes do mundo, por que apenas indicasse o caminho salvador à humanidade terrestre.

Allan Kardec não somente pregou a doutrina consoladora; viveu-a. Não foi um simples codificador de princípios, mas um fiel servidor de Jesus e dos homens.

  

Irmão X (Humberto de Campos) / Chico Xavier – Livro: Doutrina-escola