Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para domar suas más inclinações. (Allan Kardec - E.S.E, XVII, 4)

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Comportamento no centro espírita

  Você já reparou que no centro espírita nosso comportamento é diferente? Às vezes nos comportamos como verdadeiros beatos, às vezes parecemos humildes como São Francisco, mas sempre de maneira inegavelmente mais fraterna que o normal. Isso é bom, não há dúvida. Só que é difícil achar o ponto certo.

   Em busca de novas diretrizes para nosso relacionamento com nossos semelhantes (fora questões ligadas diretamente ao corpo, como a saúde, existe algum problema que não envolva o semelhante?), nos mostramos muito diferentes do que somos na verdade. O ambiente nos eleva naturalmente, fazendo com que lá dentro tenhamos momentaneamente outra compreensão dos problemas que nos afligem.
 
   Somos gentis, pacientes, educados. Damas e cavalheiros perfilados em busca de um mesmo objetivo. Claro que há as exceções de praxe, gente que não consegue se controlar um minuto sem falar mal de alguém, fazer uma fofoquinha básica ou se queixar de suas incontáveis doenças e mágoas.
   Mal saímos do centro espírita, fora da barreira energética protetora, voltamos a ser o que somos cotidianamente, e não é raro xingarmos alguém, mesmo que em pensamento, antes de dobrar a primeira esquina. Faz tempo que não faço isso, mas já fiz. Vai dizer que você nunca fez?
 
   Ainda bem que pelo menos lá dentro conseguimos nos controlar e sermos mais humanos e menos animais, mais espirituais e menos carnais. Se buscamos tão ansiosamente a reforma íntima, em algum lugar ela deve começar, em algum momento temos que iniciar o treinamento, e se tiver que ser lá dentro, tudo bem. No centro espírita as pessoas estudam, ouvem e sentem coisas mais elevadas, verdades mais puras que a realidade material em que nos afundamos lá fora.
 
   Lá dentro aprendemos a desenvolver o espírito crítico sem necessariamente promover julgamentos, amar sem apego, respeitar pessoas e situações que em outras circunstâncias não toleraríamos. Devemos ter sempre em mente que a reforma íntima não é apenas um apelo doutrinário de conotação religiosa. Mais do que isso, e em primeiro lugar, a reforma íntima é uma proposta científica baseada na lei de ação e reação.
 
   O problema (sempre há um, é o que nos faz progredir) é que podemos nos acostumar com esse comportamento dúbio, essa modalidade de dupla personalidade. Paz e amor no centro espírita, carranca e má-vontade na rua. Somos o que pensamos, e o que pensamos forma nossos hábitos. Quase tudo o que fazemos pertence a algum hábito que adquirimos. Se esse modo de agir no centro espírita permanece por muito tempo só lá dentro, sem que interiorizemos nada, sem que passemos a praticar no dia-a-dia algo próximo do que praticamos lá dentro, corremos o risco de que nosso subconsciente aprenda que lá dentro devemos ser diferentes; o resto que continue igual.
     
   Sabemos que nossa mente subconsciente não questiona, apenas obedece ao que lhe é ordenado. Quem racionaliza e decide é nossa mente consciente, ela é a senhora da vontade. Se você não muda seu modo de ser no cotidiano, se você é apenas um beato de centro espírita, isso se torna um hábito. E sua mente subconsciente, que nada pergunta, apenas cumpre o que lhe dizem para cumprir, entende que esse hábito é um padrão a ser seguido; que, se é assim que vem sendo, é assim que deve funcionar, e a partir do momento em que sua mente subconsciente toma isso como verdade, fica muito difícil tentar mudar a prática, pois esta já se tornou quase que uma crença interiorizada, e você passa a acreditar que é assim mesmo, sempre foi assim, deve ser assim.
  
   Seja cada vez melhor no centro espírita, esforce-se para aprender, para melhorar-se intimamente. Mas esforce-se, mais ainda, para levar para fora dos portões do centro espírita algo do que aprendeu. Para levar consigo, dentro de si, pelo menos um pouco do que sente quando está lá dentro. Tenha coragem de compartilhar o que vive lá dentro, esse você que você é lá dentro. Não enchendo os ouvidos dos outros de sermão, não perdigotando água fluida na cara do próximo, mas mostrando pelo exemplo, pelas atitudes. Tente, tudo que você tenta com afinco você consegue. Batei e abrir-se-vos-á, lembra?
 
Artigo publicado originalmente no site www.espiritoimortal.com.br de autoria de Morel Felipe Wilkon.

Nenhum comentário:

Postar um comentário