Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para domar suas más inclinações. (Allan Kardec - E.S.E, XVII, 4)

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Imortalidade


Durante o trânsito carnal é possível que não te dês conta da fragilidade na qual assentas as tuas aspirações e trabalhas os teus planos.
Não poucas vezes tens a impressão que o carro orgânico prosseguirá deslizando pelas estradas atapetadas da juventude, do prazer, das programações agradáveis. Enfermidade, sofrimento, desar, envelhecimento e morte, supões, são ocorrências que atingem apenas as outras pessoas, nunca a ti.
Pensavas que o anjo da morte somente descesse as suas asas sobre os outros, a fim de arrebatá-los, não imaginando que isso pudesse ocorrer também contigo...
Lentamente, porém, despertas para a realidade corporal.
A forma física apolínea ou venusina, a mocidade risonha e o encantamento feliz cedem lugar às modificações naturais quão inevitáveis da estrutura física, ao envelhecimento, à decrepitude, aos dissabores, quando a morte não os precede, inesperada, implacavelmente.
Os acidentes de veículos arrebatam vidas humanas com volúpia crescente, e os esportes, violentos quanto perigosos, carregam homens e mulheres juvenis, demostrando que não há prazo estabelecido para o encerramento da jornada, nem preferência exclusiva pelos enfermos, pelos desditosos e pelos envelhecidos...
É necessário que acordes para os impositivos da imortalidade, conscientizando-te dos elevados objetivos da existência corporal.
Estás mergulhado no oceano da imortalidade, queiras ou não.
O corpo, de que o Espírito se utiliza, é qual escafandro adequado para a experiência da evolução mediante o processo reencarnatório.
É útil, e resguarda o mergulhador, mas tem utilidade limitada, efêmera, que cessa, logo esteja concluído o objetivo para o qual é utilizado.
A vida não sucumbe no momento da morte.
Se tal ocorresse, ela mesma seria paradoxal, destituída de sentido real.
Tudo no mundo experimenta contínuas transformações, incessantes alterações, por que o ser humano deve sucumbir?
Faze uma análise mais profunda e perceberás que o milagre da imortalidade se apresenta em todo o processo da evolução.
Há um incessante progresso natural e um inestancável desenvolvimento, que se apresentam a cada momento, sempre mais enriquecedores, intérminos.
A vida, como consequência, não cessa, pois, prosseguindo, abençoada e alvissareira após o túmulo, dando curso a esse movimento de sublimação.
Reflexiona a respeito da transitoriedade carnal, e elabora programas de qualidade superior, a que possas dar prosseguimento quando encerrares o ciclo orgânico.
Viverás, e serás caracterizado pelos teus pensamentos, palavras e ações da atualidade, que ressumarão do inconsciente, tomando-te por inteiro e vitalizando-te.
Pensa, fala e age, portanto corretamente, a fim de que despertes feliz após a tumba.
O mesmo ocorrerá com todos a quem amas ou não – eles viverão.
Aqueles que te anteciparam na viagem de retorno, esperam-te.
Não os pranteies em desespero, nem duvides da sua existência.
Recorda-os com carinho, e envia-lhes pensamentos bons, saudáveis, rememorando-os nos momentos felizes que tiveram, quando estavam na Terra.
Essa evocação alcançá-los-á com ternura e os despertará se estiverem adormecidos, assim como os felicitará, caso se encontrem lúcidos.
Mantém com eles os vínculos de amor que te sustentarão nos fios da esperança em favor do breve reencontro feliz.
Jesus retornou da sepultura em exuberante imortalidade, a fim de nos oferecer para sempre a certeza de que a existência corporal passa com brevidade, mas a vida infinita e grandiosa jamais se interromperá.

Joanna de Ângelis - Página psicografada pelo médium Divaldo P. Franco, em 8-9-1997, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador – BA

Nenhum comentário:

Postar um comentário