Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para domar suas más inclinações. (Allan Kardec - E.S.E, XVII, 4)

sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

Tua cooperação

O teu próximo necessita de tudo quanto a ti é valioso na vida.
Concede-lhe o tesouro da tua cooperação, irradiando, na sua direção, pensamentos de bondade e de simpatia.
Ninguém vive sem o milagre da cooperação.
Mesmo que o não percebas, tudo e todos cooperam para que vivas e cresças no rumo da meta para a qual renasceste.
O teu próximo, igualmente, não prescinde dos teus pensamentos positivos nem da tua cordialidade.
É certo que há pessoas portadoras de expressões que as tornam antipáticas à tua convivência. Não obstante, é necessário envolvê-las nas tuas vibrações de ternura.
Da mesma forma, não te enganes. Exteriorizas, sem que o percebas, manifestações psíquicas que te fazem animoso e antipático a outras pessoas.
Gostarias que o teu próximo dissimulasse as dificuldades e limitações que possuis, oferecendo-te receptividade agradável e cordial.
Age da mesma forma, em relação aos que te parecem desagradáveis.
Coopera com Deus, na edificação do bem irrepreensível, não te escusando à lavoura da gentileza, nem ao contributo da tua amizade.
Ninguém sobrevive sem o auxílio da afeição de outrem, quanto vida alguma se desenvolve sem o ar de que se nutre, salvadas, apenas, as bactérias anaeróbias de existência breve.
Um tijolo cooperando com outro levanta a construção.
Um grão se une a outro, no silêncio do solo, e eis nascente a seara luxuriante.
Uma molécula se agrega a outra e a galáxia se espraia pelo infinito.
Doa a tua cooperação, por menor te pareça.
Ao fazê-lo, evita o impositivo da tua paixão, a exigência da tua forma de ser, pois que isto representa uma cobrança do que supões ofertar.
Quando alguém oferece algo a outrem, a si próprio se enriquece.
O pólen, arrastado pelo vento, é responsável pela fecundação, sem qualquer imposição de sua parte.
A chuva tomba, generosa e espontânea, sustentando a vida e reverdecendo o solo.
Não te imponhas nunca.
Jesus, cooperando com o homem, não obstante a voz imperativa que lhe caracteriza toda a mensagem, foi claro ao dizer: Aquele que quiser vir após mim, tome a sua cruz e siga-me”, mediante a condicional da vontade de cada um.
No entanto, é o sublime Construtor da Terra e tudo que nela existe.
Coopera, portanto, com a vida, esparzindo bênçãos onde estejas, com quem te encontres, conforme surja a oportunidade.
Retribui com amor ao amor que a vida te oferta...

Joanna de Ângelis/Divaldo Franco – Livro: Alerta

Nenhum comentário:

Postar um comentário