Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para domar suas más inclinações. (Allan Kardec - E.S.E, XVII, 4)

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Não julgar

Nenhum de nós está em condições de julgar. Não sabemos os débitos que carregamos do passado.
A névoa que toma conta dos nossos olhos nos impede de enxergarmos o que fizemos, e com isso, não temos a certeza de que os erros que vemos não sejam os mesmos cometidos por nós.
Condenaram-se, com certeza, cumpriremos igual pena, pois, ao apontarmos o dedo devemos ter a consciência das responsabilidades que aquele ato acarreta.
Quantas oportunidades são perdidas quando não nos damos o tempo de reflexão.
Queremos que os outros nos façam o que seja bom. Não permitimos vacilos. Colocamos a responsabilidade de nossa felicidade nas mãos do próximo, quando cabe a nós a luta pela conquista através do prazer da doação.
Muitas vezes, nos tornamos inimigos do outro, porque não damos o tempo necessário para uma reflexão.
Gritamos e não permitimos que nos falem alto. Esperamos reconhecimento sem nos lembrarmos da grandeza do servir pelo simples prazer de servir.
Não ouvimos porque nossa mente está se preparando para contra-atacar, sem percebermos a oportunidade que estamos tendo naquele momento e que, nosso orgulho não pode nos dominar.
Esquecemos todos os ensinamentos do Pai quando nos sentimos humilhados e achamos que o revide nos faz fortes e poderosos. Quanta ilusão.
A humildade sim, esta nos torna gigantes. Ela nos demonstra o tamanho do amor que carregamos dentro de nós.
Cada ser que reencarna nesse planeta, um dia terá consciência que estamos tendo oportunidades como todos.
Precisamos um do outro para crescer. Somos seres imperfeitos em busca de um melhoramento.
As situações vão surgindo diante de nós e temos a obrigação de buscarmos em nossa bagagem todos os ensinamentos e os colocarmos em prática.
A mensagem que ontem ouvimos e achamos maravilhosa precisa ser vivida hoje com toda intensidade, senão, não passará de palavras ao vento, que se perdem sem terem cumprido o seu objetivo. Por isso, devemos ouvir com o cérebro e analisar com o coração. Guardar num lugar de fácil acesso para ser buscada sempre que necessário.
Tirem proveito de tudo. Analisem os fatos, se coloquem no lugar do outro e vivam como se fossem o outro.
Só assim um dia aprenderemos a nos conhecer melhor, a nos respeitar e, acima de tudo, a nos amarmos, como é o desejo do Pai.
Que esta mensagem sirva de reflexão para trazermos à tona e colocar em prática, tudo de bom que aprendemos até hoje. Pois, é exatamente o exemplo que nos torna melhores. Fiquem em paz, esse que vos ama,

Joseph Gleber

Nenhum comentário:

Postar um comentário